Entre nomes partidos e corpos pro(s)téticos, as regras de um jogo duplo

  • Gabriela Semensato Ferreira Universidade Federal de Pelotas (UFPel)
Palavras-chave: jogo duplo, suplemento, prótese, corpo, nome próprio, articulação

Resumo

Em Double Game (1999/2007), Sophie Calle elabora um projeto colaborativo com Paul Auster a partir de um trecho de Leviathan(1992),do escritor norte-americano. No romance de Auster, a personagem Maria Turner, inspirada na vida e na obra dessa artista francesa, é apresentada. Ao analisar as “regras desse jogo”, Calle, por sua vez, insere o trecho sobre Maria em seu livro. Porém, realiza no texto operações de corte e enxerto, marcadas pela cor vermelha. Neste artigo, propomos pensar o excerto em questão como suplemento,avaliando como este transborda os limites da narrativa de Auster, e como articulam-se, nesse gesto ou jogo, linguagens e discursos diversos. Para isso, realizam-se recortes necessários, considerando, como parte do corpo ou corpustextual, trabalhos teórico-poéticos como Prosthesis (1995), de David Wills, e Gramatalogia (1973), de Jacques Derrida. Assim, sugerimos uma aproximação entre as ideias de “prótese” e “suplemento”, para propor formas de ver e de ler essas obras de arte a partir das duplicações e duplicidades que encenam. Trata-se, portanto, não apenas da noção de duplo, mas da ficção das “escrituras de si” desses artistas, e da tensão que se dá pela vinculação e divisão de nomes próprios em suas obras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTELO, Raúl. Maria con Marcel: Duchamp en los trópicos. 1ª ed. Buenos Aires: Siglo XXI Editores Argentina, 2006. 328 p.
AUSTER, Paul. Invisible. New York: Henry Hold and Company, 2009.
AUSTER, Paul. Leviathan. 1º publicação 1992. New York: Penguin Books, 1993.
AUSTER, Paul. The Invention of Solitude. IN: Collected Prose. New York: Picador, 2010.
AUSTER, Paul. The New York Trilogy. London: Faber and Faber Limited, 2004.
BARTHES, Roland. S/Z. 1º publicação: 1970. Tradução de Léa Novaes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.
BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo. Crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.
CALLE, Sophie. Double Game. 1º publicação 1999. England: Violette Editions, 2007.
CALLE, Sophie. Histórias reais. Rio de Janeiro: Agir Editora Ltda., 2009. Tradução Hortencia Santos Lencastre. Foto de Capa Jean-Baptiste Mondino.
DERRIDA, Jacques. Gramatologia. Tradutores: Miriam Schnaiderman e Renato Janini Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, Editora da Universidade de São Paulo, 1973.
DERRIDA, Jacques. Living On/Borderlines. IN: Deconstruction and Criticism. Tradução: James Hulbert. New York: The Seabury Press, 1979. P. 75-176.
DERRIDA, Jacques. Dissemination. Translated, with introduction and additional notes, by Barbara Johnson. Chicago: The University of Chicago Press, 1981.
FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Tradução de Salma Tannus Muchail. 8ª Ed. Coleção tópicos. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
FOUCAULT, Michel. Isto não é um cachimbo. Título Original: Ceci n'est pas uue pipe. Tradução: Jorge Coli. Data de digitalização: 2004. Primeira edição impressa: 1973.
KRISTEVA, Julia. Estrangeiros para nós mesmos. Tradução: Maria Carlota Carvalho Gomes. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.
LACAN, Jacques. O seminário, livro 8: a transferência (1960-1961). Texto estabelecido por Jacques Alain-Miller. Versão brasileira de Dulce Duque Estrada. Revisão de Romildo do Rêgo Barros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1992.
NANCY, Jean-Luc. Corpus. Tradução Tomás Maia. Lisboa: Veja Limitada, 2000.
WAUGH, Patricia. Metafiction: the theory and practice of self-conscious fiction. Great Britain: Routledge, 1984.
WILLS, David. Paris, 1976. IN: Prosthesis. Stanford: Stanford University Press, 1995, 350 p.
Publicado
2019-12-27
Como Citar
Ferreira, G. (2019). Entre nomes partidos e corpos pro(s)téticos, as regras de um jogo duplo. Revista Criação & Crítica, 1(25), 148-165. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v1i25p148-165