Mira Schendel

todas as formas de dizer o indizível

  • Erica Dias Batistela USP
Palavras-chave: Mira Schendel; artes-plásticas; arte contemporânea; imagem poética; poesia concreta.

Resumo

E quando nem os preceitos, nem a prática, nem a arte produzida são passíveis de uma classificação definitiva? E quando o fazer artístico consegue se desconectar da história, do tempo, e transitar livremente entre a palavra e o silêncio, entre a imagem e a transparência, a escultura e o vazio? Esses questionamentos talvez não deixassem o plano das abstrações se pelo concreto Haroldo de Campos não tivesse chegado à Mira Schendel. Nesta artista além-métodos e teorias e disposta a um esforço enorme, ao mesmo que sutil, para significar sua alma de artista em diferentes suportes expressivos, o desejo de dizer é latente. A nós, resta o prazer de escutá-lo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Gênese. Haroldo de Campos e as artes visuais. In: Roteiros de palavras, sons, imagens. Os diálogos transcriativos de Haroldo de Campos. Jasmin Wrobel (org.). Biblioteca Luso-Brasileira: Frankfurt am Main, 2018, pp. 203-220.

BANDEIRA, João; BARROS, Lenora de (org.). Poesia Concreta: o Projeto verbivocovisual. São Paulo: Artemeios, 2008.

BARSON, Tanya et. al, Mira Schendel. Tanya Barson e Taisa Palhares (Org.). Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo; Fundação de Serralves, Porto, 2014.

CAMPOS, Augusto de; CAMPOS, Haroldo de; PIGNATARI, Décio. Teoria da Poesia Concreta: textos críticos e manifestos 1950-1960. 2ª ed. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1975.

CHAUÍ, Marilena. Merleau-Ponty: obra de arte e filosofia. In: Artepensamento. NOVAES, Adauto (Org.). São Paulo, SP: Companhia das Letras, 1994, pp. 467-491.

DIAS, Geraldo Souza. Mira Schendel: do espiritual à corporiedade. São Paulo: Cosac & Naify, 2009.

MAGALHAES, Roberto Carvalho de. História da Arte ou Estória da Arte? Varias hist., Belo Horizonte , v. 24, n. 40, p. 407-418, Dec. 2008. Disponível em < http://ref.scielo.org/23n3k6>. Acesso em 25/08/2019.

MARQUES, Maria Eduarda. Mira Schendel. São Paulo: Cosac & Naify, 2001.

PÉREZ-ORAMAS, Luis (org.). Léon Ferrari e Mira Schendel: o alfabeto enfurecido. São Paulo: Cosac Naif, Nova York: MOMA, 2010.

SALZSTEIN, Sônia (org.). No vazio do mundo: Mira Schendel. São Paulo: Marca D'Água/ Galeria de Arte do SESI, 1996
Publicado
2019-12-27
Como Citar
Batistela, E. (2019). Mira Schendel. Revista Criação & Crítica, 1(25), 181-197. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v1i25p181-197