“Há coisas pelo meio”

a écfrase na poesia de Manuel Gusmão e João Miguel Fernandes Jorge

  • Patrícia Resende Pereira Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Palavras-chave: Écfrase, Poesia portuguesa moderna e contemporânea, Pintura, Fotografia, João Miguel Fernandes Jorge, Manuel Gusmão

Resumo

A poesia dos autores portugueses Manuel Gusmão e João Miguel Fernandes Jorge é conhecida pela relação a ser estabelecida com outras artes. Dessa maneira, o intuito do texto é investigar a maneira como a imagem é evocada pela palavra poética, tendo em vista, para tanto, o conceito da écfrase. Definido inicialmente como a representação verbal de um objeto visual, a noção encontra-se ainda em discussão, uma vez que em muito tende a se associar ao suposto compromisso mimético. Assim sendo, como recorte para o texto aqui apresentado, seleciona-se dois poemas, um composto por Manuel Gusmão e outro por João Miguel Fernandes Jorge. No primeiro, que recebe como título apenas a sequência numérica XXIV, em correspondência a própria organização editorial de Mãe-do-fogo (2009), escrita por Jorge, tem-se a écfrase de uma das fotografias que compõe O amor na margem esquerda, de Ed van der Elsken, enquanto a segunda análise se centra no segundo poema da seção “as mãos, a tersa rima”, de Mapas/o assombro a sombra (1990), responsável por evocar Garota comendo pássaro (O prazer), de René Magritte. Assim sendo, tendo em vista imagens de natureza substancialmente distintas, o intuito da pesquisa é verificar a maneira com a qual a écfrase é realizada nos dois poemas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Resende Pereira, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

CARROLL, N. “A representação nas diversas artes”. In: CARROLL, Noël. Filosofia da arte. Trad. Rita Canas Mendes. Lisboa: Edições Texto & Grafia, 1999.
CLÜVER, C. “A new look at an old topic: ekphrasis revisited”. Todas as letras, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 30-44, jan./abr. 2017.
CLÜVER, C. “Intermidialidade”. Pós: Revista do programa de pós-graduação da Escola de Belas Artes da UFMG, Belo Horizonte, v. 1, n. 2, p. 8-23, nov. 2011.
CLÜVER, C. “Da transposição intersemiótica”. In: ARBEX, Márcia (Org.) Poéticas do visível: ensaios sobre a escrita e a imagem. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, Programa de Pós-Graduação em Letras: Estudos Literários, 2006.
CLÜVER, C. “Estudos interartes: Conceitos, termos, objetivos”. Literatura e Sociedade, Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 37-55, dez. 1997.
FRIAS, J. M. “Écfrase: 10 aporias”. eLyra: Revista da Rede Internacional LyraCompoetics. Porto, Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa, n. 8, p. 33-40, dez. 2016.
GUSMÃO, M. Contra todas as evidências: poemas reunidos I. Lisboa: Editorial Avante!, 2013.
HANSEN, J. A. “Categorias epidíticas da ekphrasis”. Revista USP, São Paulo, n. 71, p.85-105, set/nov. 2006.
HEFFERNAN, J. A. W. Museum of words: the poetics of ekphrasis from Homer to Ashbery. Chicago e Londres: The University of Chicago Press, 1993.
HUTCHEON, L. Uma teoria da adaptação. Santa Catarina: Editora da UFSC, 2013.
JORGE, J. M. F. Mãe-do-fogo. Lisboa: Relógio D’Água, 2009.
JORGE, J. M. A flor da rosa. Lisboa: Relógio D’Água, 2000.
LOUVEL, L. “A descrição ‘pictural’: por uma poética do iconotexto”. In: ARBEX, Márcia (org.) Poéticas do visível: ensaios sobre a escrita e a imagem. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, Programa de Pós-Graduação em Letras: Estudos Literários, 2006.
MITCHELL, W. J. T. Picture theory: essays on verbal and visual representation. Chicago: The University of Chicago Press, 1994.
Publicado
2019-12-27
Como Citar
Pereira, P. (2019). “Há coisas pelo meio”. Revista Criação & Crítica, 1(25), 105-118. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v1i25p105-118