A transfiguração do dragão ou a sobrevida do regionalismo

  • Maryllu de Oliveira Caixeta
Palavras-chave: Guimarães Rosa, Tutaméia, “Reminisção”, transfiguração, regional-universal

Resumo

No conto de Tutaméia “Reminisção”, Romão demonstra amor incondicional por sua mulher. No final, ela transfigura-se abraçada ao marido que “morre”. O conto oferece uma alegoria parodística da função de Rosa, o autor que supera a sobredeterminação da literatura brasileira ao regionalismo e às cópias falsas de modas estrangeiras. O índice de Tutaméia assinala alguns contos que metaforizam o ponto de vista de João Guimarães Rosa sobre a ordem na qual participa e intervém. Parece-me que o conto “Reminisção” oferece o ponto de vista de Rosa a respeito da função de seu nome de autor regional-universal, na evolução da história da literatura brasileira. Para estudar o modo como essa função se constituiu, considero a contribuição decisiva de Antonio Candido, a partir da estreia do ficcionista nos anos de 1940 e também no ensaio dos anos de 1970 que o consagra escritor superregionalista latino-americano. Para analisar “Reminisção” como alegoria parodística da função de autor regional-universal, separo o conto em três partes correspondentes a três fases de evolução da história do regionalismo; depois analiso o modo como o vocabulário exótico do conto contribui na indeterminação de seu sentido, e proporciona ao leitor a materialidade dos contornos da metafísica da superação pressuposta na função transfiguradora parodiada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Ana Maria Bernardes de. A velhacaria nos paratextos de Tutaméia: terceiras estórias. 2004. (Dissertação de Mestrado, Teoria e História Literária). Campinas: UNICAMP.
ARAUJO, Mozart de. A modinha e o lundu no século XVIII. SÃO PAULO: Ricordi, 1963.
ASSIS, Machado de. “A nova geração”, Machadiana Eletrônica, Edição e notas por Gracinéa I. Oliveira e José Américo Miranda, Vitória, v. 2, n. 4, p. s-s, jul.-dez. 2019.
______. O Primo Basílio. Obras completas de Machado de Assis (v.6). São Paulo: Formar, s./d., p.164-172.
______. Cantiga de esponsais. In:______. Histórias sem data. Rio de Janeiro: Garnier, 1884, p.49-56.
CANDIDO, A. Literatura e subdesenvolvimento. In:______. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 2003, p. 140-162.
______. A literatura e a formação do homem. In:______. Textos de intervenção. São Paulo: Duas Cidades/Ed. 34, 2002, p.77-92.
______. Notas de crítica literária – Sagarana. In:______. Textos de Intervenção. São Paulo: Duas Cidades, 2002, p.183-189.
______. Um instrumento de descoberta e interpretação. In: ______. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos (v.2). Belo Horizonte-Rio de Janeiro: Itatiaia, 2000, p.97-105.
______. O homem dos avessos. In: COUTINHO, Eduardo (Org.). Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983, p.294-309. (Fortuna Crítica. V.6).
______. Sagarana. In: COUTINHO, Eduardo (Org.). Guimarães Rosa. Brasília: Instituto Nacional do Livro; Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983, p.243-247. (Fortuna Crítica. V.6).
COVIZZI, L. M. Prefácios travestidos — estudo sobre as funções dos prefácios de Tutaméia – Terceiras Estórias. In: ______. O insólito em Guimarães Rosa eBorges. São Paulo: Ática, 1978, p. 88-102.
GAMA, Mônica. “Classificar-criar: o breviário criativo de Guimarães Rosa”, Manuscrítica, n.26, 2014, p.10-26.
GUIMARÃES, Vicente. Joãozito: a infância de Guimarães Rosa. São Paulo: Panda books, 2006.
HANSEN, J. A. Dom Casmurro: simulacro & alegoria. In: GUIDIN, M. L. et al. (Orgs.). Machado de Assis: ensaios da crítica comtemporânea. São Paulo: Editora UNESP, NLM, 2008, p.143-177.
______. O O. A ficção da literatura em Grande sertão: veredas. Hedra: São Paulo, 2000.
MORAES, A. M. R. de. “A função da literatura nos trópicos: notas sobre as premissas evolucionistas de Antonio Candido”, Revista Cerrado, v.26, n.45, 2018, p.41-54.
______. Para além das palavras: representação e realidade em Antonio Candido. São Paulo: UNESP, 2015.
NOVIS, V. Tutaméia: engenho e arte. São Paulo: Perspectiva, 1989.
PORTELA, D. S. “Machado de Assis e a tradição dos comediantes estóicos”, Machado de Assis em linha, Fundação Casa de Rui Barbosa, Rio de Janeiro, v.6, n.12, dez. de 2013, p.138-153.
REGO, J. E. de S. O calundu e a panaceia: Machado de Assis, a sátira menipeia e a tradição luciânica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989.
ROSA, J. G. Tutaméia: terceiras estórias. Rio de Janeiro: José Olympio, 1979.
TIBIRIÇÁ, L. C. Dicionário guarani-português. São Paulo: Traço, 1989.
VÉLEZ ESCALLÓN, B. O. “‘Zero nada, zero’: uns índios Guimarães Rosa, sua fala”, Alea, Rio de Janeiro, vol. 20-2, mai/ago de 2018, p. 53-73.
Publicado
2020-06-09
Como Citar
Caixeta, M. (2020). A transfiguração do dragão ou a sobrevida do regionalismo. Revista Criação & Crítica, 1(26), 12-39. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v1i26p12-39