A Estética da Culpa e a Sombra da Tradição: Notas para a análise de A queda, de Albert Camus

  • Raphael Luiz Araújo Universidade de São Paulo; Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas; Departamento de Letras Modernas
Palavras-chave: Albert Camus, A queda, Charles Baudelaire, riso.

Resumo

Este texto pretende fazer uma introdução ao livro A queda, de Albert Camus, levando em conta considerações suscitadas por Jacquéline Lévi-Valensi e Anne Coudreuse, duas especialistas da obra. Escrita nos primeiros anos do pós-guerra, A queda se constitui como um monólogo híbrido que se subdivide em encenações teatrais, anedotas romanescas e máximas moralizantes. Essa estrutura adéqua-se inteiramente à concepção ideológica da obra, que busca questionar os discursos tradicionais, revelando a decadência do sentido atribuído à linguagem. A derrocada dos valores humanos reflete-se no protagonista por meio da sua hipocrisia — oscilante entre maldade e culpabilidade — que o leva a dividir-se em confissões duplas, pois também são acusações. Indiretamente, tal postura remete-se ao intertexto baudelairiano, que por meio do conceito do riso, é capaz de sintetizar essa denúncia ao julgamento universal.

PALAVRAS-CHAVE:

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2009-10-15
Como Citar
Araújo, R. (2009). A Estética da Culpa e a Sombra da Tradição: Notas para a análise de A queda, de Albert Camus. Revista Criação & Crítica, (3), 115-128. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v2i3p115-128
Edição
Seção
Artigos