Uma cifra três vezes alheia: o alheamento poético, editorial e tradutório no Livro do Desassossego, de Fernando Pessoa

  • Ana Paula de Bortoli União das Faculdades dos Grandes Lagos
  • Lígia Maria Winter Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Alheamento, Tradução, Fernando Pessoa, Livro do Desassossego.

Resumo

O presente texto tem como objetivo pensar o Livro do Desassossego, de Fernando Pessoa, a partir de três modos de alheamento pelos quais o consideramos composto: o alheamento poético, o editorial e o tradutório. O primeiro será abordado a partir da leitura do trecho Na Floresta do Alheamento, que carrega o conceito já no título, mas que também contrasta com o discurso fragmentário dos demais textos que compõem o livro. O segundo, pela leitura dos discursos dos diferentes organizadores, editores e tradutores, concomitantemente “alheios” ao livro e seus “coautores” (papel que também é posto em questão). O último retoma Na Floresta do Alheamento e discute sua versão por Richard Zenith (1999), salientando as transformações do texto e os critérios de fidelidade do tradutor. Em conflito com esse livro alheado, publicado e republicado após a morte de Fernando Pessoa, permanece uma marca do antilivro particular e secreto: a cifra L. do D., com que Pessoa assinalava os trechos dos fragmentos que pertenciam a um livro confidencial, escrito enquanto vida e, na maior parte, engavetado até sua morte.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2010-10-15
Como Citar
Bortoli, A., & Winter, L. (2010). Uma cifra três vezes alheia: o alheamento poético, editorial e tradutório no Livro do Desassossego, de Fernando Pessoa. Revista Criação & Crítica, (5), 36-61. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v3i5p36-61
Edição
Seção
Artigos