“Diadorim, meu amor” ou o Narciso Afogado: O mito do andrógino e ritos de passagem em Grande Sertão: Veredas

  • Cláudia Falluh Balduino Ferreira Universidade de Brasília
Palavras-chave: Crítica psicológica, mitos, esoterismo, metafísica, sexualidade.

Resumo

O presente artigo estuda a forma como Diadorim – personagem de Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa –, representa e vivifica o arquétipo da totalidade representado pelo Andrógino: entidade emblemática, contraditória e também harmônica, dupla e única, ao mesmo tempo coincidente e oposta. Para tal usaremos os conceitos e os desenvolvimentos deste mito, passando primeiro por uma elucidação dada tanto pela crítica literária de cunho psicológico, como pela história das religiões. Cônscios da extensão e da profundidade que tal tema implica, o estudo do personagem se fará relacionando-o aos ‘temas de iniciação ritual’ e à luz dos elementos metafísicos, esotéricos e simbólicos contidos no texto. Serão considerados principalmente os episódios específicos da morte e do velório do herói, após sangrenta batalha.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2012-04-15
Como Citar
Ferreira, C. (2012). “Diadorim, meu amor” ou o Narciso Afogado: O mito do andrógino e ritos de passagem em Grande Sertão: Veredas. Revista Criação & Crítica, (8), 33-46. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v5i8p33-46
Edição
Seção
Artigos