Escritor-personagem e leitor cúmplice em Sérgio Sant'anna

  • Igor Ximenes Graciano Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Ficção, escritor-personagem, leitor, cumplicidade.

Resumo

As narrativas de Sérgio Sant’Anna sugerem, pela exposição recorrente dos bastidores da criação literária (aqui entendida como gesto literário), que o discurso ficcional extrapola o espaço da literatura, repercutindo as relações dos indivíduos no “mundo real”. Em sua prosa é evidente a tentativa dos narradores de aproximarem o leitor para suas perspectivas, quando a narrativa assemelha-se a um jogo em que o prêmio é a cumplicidade deste a quem ela se dirige. Com isso, estende-se uma via de mão-dupla entre vida e imaginário, de modo que uma constitui e é constituída pelo outro. Como afirma Carlos Santeiro, personagem de Um romance de geração, trata-se das “possibilidades possíveis” do texto para além do texto, uma vez que o acordo entre narrador romanesco e leitor – e que sustenta o acontecimento literário – carrega muito dos pressupostos das diversas instâncias discursivas entre indivíduos, ficcionais ou não.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Igor Ximenes Graciano, Universidade Federal Fluminense
Doutorando em Literatura Comparada na Universidade Federal Fluminense – Niterói. Mestre em Literatura pela Universidade de Brasília.
Publicado
2012-11-15
Como Citar
Graciano, I. (2012). Escritor-personagem e leitor cúmplice em Sérgio Sant’anna. Revista Criação & Crítica, (9), 81-94. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v5i9p81-94
Edição
Seção
Artigos