O Lobo da Estepe: uma escritura selvagem

  • Gabrielle da Silva Forster Universidade Federal de Santa Maria
Palavras-chave: O lobo da estepe, escritura selvagem, dialogismo bakhtiniano.

Resumo

Ao reconhecer que O lobo da estepe, de Hermann Hesse, é uma obra que se propõe a deslegitimar o senso comum e, consequentemente, a ampliar a percepção usual do leitor, o presente artigo visa mostrar que a possibilidade de fazê-lo não reside no efeito de estranhamento provocado pela trama, mas no arranjo estrutural da obra, na sua escritura selvagem, capaz de percorrer caminhos inabituais ao potencializar o embate entre visões de mundo, desmistificando assim a noção usual do que se considera o indomesticado no homem. Para isso, parte-se de duas concepções explícitas no romance: uma de sujeito e a outra de representação, com o intuito de mostrar que é na esteira destas noções que a obra se constrói e pode, a partir da elaboração estética destas ao longo de todo o texto, desestabilizar a compreensão trivial na abertura proposta pelo diálogo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabrielle da Silva Forster, Universidade Federal de Santa Maria
Doutoranda em Estudos Literários - Universidade Federal de Santa Maria;  Mestre em História da Literatura - Universidade Federal do Rio Grande.
Publicado
2012-11-15
Como Citar
Forster, G. (2012). O Lobo da Estepe: uma escritura selvagem. Revista Criação & Crítica, (9), 111-127. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v5i9p111-127
Edição
Seção
Artigos