O Minotauro: ausências e substituições em Lobato

  • Daniella Amaral Tavares Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Adaptação literária, mitologia grega, Monteiro Lobato.

Resumo

Em 1939, Monteiro Lobato publica O Minotauro, uma releitura do mito grego do monstro meio homem, meio touro, morto pelo herói ateniense Teseu. O monstro lobatiano está só em seu labirinto, para onde leva a cozinheira Tia Nastácia. Sua morada na ilha de Creta não contém os jovens atenienses que deveriam ser devorados, nem a violência presente nas narrativas clássicas.  No lugar de Ariadne e seu novelo, há Emília e seus carretéis. Ao invés da morte pelas mãos de Teseu, sua derrota pelos bolinhos de Tia Nastácia. Essas operações de supressões e acréscimos são o fio condutor deste estudo sobre os diálo.gos entre a versão de Lobato e o texto-fonte sobre o Minotauro, cujas origens perdem-se no tempo. Podemos aventar que as escolhas narrativas do autor se baseiam nas suas próprias convicções sobre o processo de reescritura, sobre a adequação do texto ao público-alvo, bem como incluem a valorização da inteligência em detrimento da violência. Para fundamentar nossa análise, tomamos como balizadores, além dos próprios textos de Lobato, reflexões contemporâneas, especialmente de autores como Martins, Hutcheon, Arrojo, Samoyault e Sant’Anna, que versam sobre o processo da adaptação e mecanismos intertextuais nele envolvidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniella Amaral Tavares, Universidade Federal da Bahia
Mestranda na Universidade Federal da Bahia – Salvador.
Publicado
2012-11-15
Como Citar
Tavares, D. (2012). O Minotauro: ausências e substituições em Lobato. Revista Criação & Crítica, (9), 152-160. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v5i9p152-160
Edição
Seção
Artigos