Clarice Lispector e Stéphane Mallarmé: a orquestração do rumor

  • Vinícius Pacheco Gonçalves Universidade de São Paulo; Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas; Departamento de Letras Modernas
Palavras-chave: Clarice Lispector, Stéphane Mallarmé, espaço sem lugar, rumor.

Resumo

O presente artigo pretende calcular os contrastes da leitura da segunda versão, datada de 1887, do “Sonnet allégorique de lui-même”, de Stéphane Mallarmé, e do conto “O ovo e a galinha”, de Clarice Lispector. Interessa-nos explorar, no referido corpus, possíveis entre-tons nas leituras já consensuais do legado poético mallarmaico, desenhando na intersecção que os textos em questão conformam uma outra possibilidade de enfrentamento do literário: a de espaço sem lugar, nômade, ou seja, sem contas a pagar aos discursos positivos que configuram objetos estáveis no campo de nossa visão cotidiana. Em suma: flagrar os modos de existência, no espaço artístico da literatura, que a ficcionista brasileira e o poeta francês instauram entre a premência sensata da fala sólida e a potência escura do silêncio. Numa palavra: como ambos habitam esse lusco-fusco; como ambos orquestram o rumor de que suas obras são feitas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinícius Pacheco Gonçalves, Universidade de São Paulo; Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas; Departamento de Letras Modernas
Mestrando em Literatura Francesa -Universidade de São Paulo
Publicado
2012-11-15
Como Citar
Gonçalves, V. (2012). Clarice Lispector e Stéphane Mallarmé: a orquestração do rumor. Revista Criação & Crítica, (9), 187-199. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v5i9p187-199
Edição
Seção
Artigos