Violência e intolerância em Albert Camus e Denis Diderot

  • Nilson Adauto Guimarães da Silva Universidade Federal de Viçosa

Resumo

No presente artigo abordamos alguns temas dos ensaios filosóficos, O Mito de Sísifo e O Homem revoltado, e dos romances, O Estrangeiro e A Peste, de Albert Camus (1913-1960); bem como tratamos, de maneira bastante geral, o romance Jacques, o fatalista e seu amo, de Denis Diderot (1713-1784). Buscamos explicitar o engajamento dos autores o aspecto crítico de suas obras. Identificamos uma relação entre as noções camusianas de absurdo e revolta e a defesa da dignidade humana, em oposição ao dogmatismo e ao totalitarismo. Destacamos em Diderot a liberdade de pensamento e o senso crítico, como antídotos ao fanatismo, à intolerância e à violência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nilson Adauto Guimarães da Silva, Universidade Federal de Viçosa
Departamento de Letras. Área de Francês.
Publicado
2013-05-22
Como Citar
Silva, N. A. (2013). Violência e intolerância em Albert Camus e Denis Diderot. Revista Criação & Crítica, (10), 81-94. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i10p81-94
Seção
Artigos