A cadelinha de Baudelaire, na fronteira do traduzir

  • Álvaro Faleiros Universidade de São Paulo
Palavras-chave: tradução, criação, crítica, Haroldo de Campos, Baudelaire

Resumo

A tradução poética tem sido tema de importantes discussões no meio literário. No Brasil, o assunto ganhou relevo sobretudo a partir da ideia da tradução como criação e como crítica de Haroldo de Campos. Sua poética do traduzir, de inspiração semiótica, explora a fronteira do traduzir por meio da forma. O intuito, aqui, é provocar o tensionamento da fronteira a partir de outro lugar, que acreditamos mais instável e irreverente, num atrito que provoca uma espécie de fratura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Álvaro Faleiros, Universidade de São Paulo

Tradução

Poesia

Referências

BAUDELAIRE, Charles. As Flores do mal. Tradução de Ivan Junqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

CAMPOS, Haroldo. Da tradução como criação e como crítica. A arte no horizonte do provável. São Paulo: Perspectiva, 1976.

CANDIDO, Antonio. “Os Primeiros baudelarianos”. A educação pela noite. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2006.

ETKIND, Efim. Un art en crise: essai de poétique de la traduction poétique. Tradução do russo por Wladimir Trubetskoi com a colaboração do autor. Lausanne: L’âge de l’Homme, 1982.

HERNÁNDEZ, Francisco. Mi vida con la perra. Guadalajara: Mantis Editores, 2013.

VIZIOLI, Paulo. A tradução de poesia em língua inglesa. Tradução & Comunicação, 2, 1985.

Publicado
2013-11-21
Como Citar
Faleiros, Álvaro. (2013). A cadelinha de Baudelaire, na fronteira do traduzir. Revista Criação & Crítica, (11), 111-119. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i11p111-119
Seção
Artigos