A morte do autor: um retorno à cena do crime

  • Sérgio Luiz Prado Bellei Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Autoria, história do autor, morte do autor

Resumo

O questionamento radical do sujeito cartesiano promovido pela crítica pós-estruturalista a partir da década de sessenta do século passado abriu caminho para a reformulação do conceito de “autor”.  Entendido anteriormente como marcado pela imaginação criadora capaz de dar origem a grandes obras literárias, percebidas como expressões universais e supremas do espírito humano, começa o autor a perder a sua força cultural à medida que as novas teorias declaram a sua morte ou restringem a sua atividade anteriormente sacralizada a uma “função autoral” que tem por objetivo a prática repressora da disseminação incontrolável de sentido. O presente ensaio pretende revisitar o momento iconoclasta da morte do autor, com o objetivo de avaliar  possíveis contribuições para o pensamento de uma ética da leitura no momento contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sérgio Luiz Prado Bellei, Universidade Federal de Minas Gerais
Professor Titular de Teoria Literária da Universidade Federal de Minas Gerais

Referências

BARTHES, Roland. “Análise Textual de um Conto de Edgar Allan Poe”. In BARTHES, Roland, A Aventura Semiológica, São Paulo, Martins Fontes, 2001.

BARTHES, Roland. Sobre Racine. Trad. Antonio Carlos Viana. Porto Alegre: L&PM, 1987.

BARTHES, Roland. Sade, Fourier, Loyola. São Paulo, SP: Brasiliense, 1971.

BARTHES, Roland “Da Obra ao Texto”. In BARTHES, Roland, O Rumor da Língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004a.

BARTHES, Roland. “A Morte do Autor”. In BARTHES, Roland, O Rumor da Língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004b.

BENNET, Andrew. The Author, New York: Routledge, 2005.

BOOTH, Wayne C. The Rhetoric of Fiction, Chicago: The University of Chicago Press, 1983.

EAGLETON, Terry. Criticism and Ideology, London: Verso, 1976.

EAGLETON, Terry. Literary Theory: An Introduction, London and Minneapolis: The University of Minnesotta Press, 1983.

FOUCAULT, Michel. “The Masked Philosopher”. In FOUCAULT, Michel, Politics Philosophy, Culture, New York: Routledge, 1988.

FOUCAULT, Michel. Technologies of the Self, Amherst, Massachusetts: University of Massachusetts Press, 1988.

FOUCAULT, Michel. “O que é um autor?” In FOUCAULT, Michel, Estética, Literatura e Pintura, Música e Cinema. Rio: Forense Universitária, 2009.

IGOE, Vivien. “Early Joyceans in Dublin”. Joyce Studies Annual, New York, vol. 12, Summer, 81-99, 2001.

LACAN, Jacques. Écrits I, Paris: Éditions du Seuil, 1966.

MARX, Karl e ENGELS, Friedrich. A Ideologia Alemã, São Paulo: Martins Fontes,

PERRONE-MOISÉS, Leyla. “Prefácio”. In BARTHES, Roland, O Rumor da Língua, São Paulo: Martins Fontes, 2004c.

ROSE, Mark. Authors and Owners: The Invention of Copyright. Cambridge: Harvard University Press, 2002.

WHITE, Hayden. “The Culture of Criticism”. In HASSAN, Ihab, Liberations: Middletown, Connecticut, Wesleyan University Press, 1972.

Publicado
2014-06-09
Como Citar
Bellei, S. (2014). A morte do autor: um retorno à cena do crime. Revista Criação & Crítica, (12), 161-171. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i12p161-171
Seção
Artigos