Quando não utilizar dados biográficos na análise literária: Uma discussão baseada na Analítica existencial de Martin Heidegger e no romance O lobo da estepe de Hermann Hesse

  • Roy David Frankel Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Teoria da Literatura, Autor, Analítica Existencial, Abertura

Resumo

Este artigo busca discutir até que ponto a incorporação de dados biográficos pode trazer contribuições à análise literária realizada. Para problematizar essa questão, são apresentadas as diferentes visões autorais no campo da teoria literária até as emergentes escritas de si. Para exemplificar a discussão teórica através da análise de uma obra, são utilizados conceitos da analítica existencial de Heidegger no romance O Lobo da Estepe, de Hermann Hesse.O Lobo da Estepe é um romance que pode ser observado através de diferentes vieses interpretativos. Ao utilizar, entretanto, o viés heideggariano, percebemos que o uso de dados biográficos pode prejudicar a compreensão da obra. Dessa forma, na medida em que vincula o viés interpretativo ao uso desse tipo de dado, o presente estudo permite problematizar a sua incorporação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roy David Frankel, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Roy Frankel é engenheiro de produção formado pela UFRJ e trabalha no BNDES. Além disso, atualmente é estudante da UERJ, onde cursa graduação em Letras – Português/Francês e mestrado em Teoria da Literatura e Literatura Comparada.

Referências

COMPAGNON, A. O demônio da teoria. Trad. Cleonice P. B. Mourão. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2012.

FIGUEIREDO, E. Mulheres ao espelho – autobiografia, ficção, autoficção. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2013.

FOUCAULT, M. (1969), O que é um autor? In: Ditos e escritos: Estética - literatura e pintura, música e cinema (vol. III). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.

HEIDEGGER, M. (1927), Ser e Tempo. Tradução de Márcia Sá Cavalcante Schuback. 7ª ed. Petrópolis: Ed. Vozes e Bragança Paulista, Ed. Universitária São Francisco, 2012.

HESSE, H. (1927), O Lobo da Estepe. Tradução de Ivo Barroso. 36ª edição. Rio de Janeiro: Editora Record, 2011.

KLINGER, D. Escritas de si, escritas do outro: o retorno do autor e a virada etnográfica. Rio de Janeiro 7Letras, 2012.

LEJEUNE, P. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Tradução de Jovita Maria Gernheim Noronha e Maria Inês Guedes. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008.

LISPECTOR, C. (1969) Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres. Rio de Janeiro: Rocco, 2010.

MAINGUENEAU, D. Discurso literário. Tradução de Adail Sobral. São Paulo: Contexto, 2006.

MALIK, H. M. 2014. Steppenwolf: Genius of Suffering. Obtido através do site: http://archives.hassanmalik.org/steppenwolf, consultado em 17/04/2014.

Publicado
2014-06-09
Como Citar
Frankel, R. (2014). Quando não utilizar dados biográficos na análise literária: Uma discussão baseada na Analítica existencial de Martin Heidegger e no romance O lobo da estepe de Hermann Hesse. Revista Criação & Crítica, (12), 53-65. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i12p53-65
Seção
Artigos