O funcionamento da autoria na epístola De Profundis de Oscar Wilde

  • Fernanda Mussalim Universidade Federal de Uberlândia
  • Kelen Cristina Rodrigues Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: Análise do discurso literário, funcionamento de autoria, epistolografia.

Resumo

Neste artigo, pretendemos, com base em fundamentos teóricos da Análise do discurso literário proposta por Dominique Maingueneau e, fundamentalmente, com base na concepção de autor formulada por ele em seu livro Discurso literário, verificar os modos pelos quais se dá o imbricamento entre as três instâncias autorais postuladas pelo autor – a saber, a pessoa, o escritor e o inscritor – na consagrada epístola De Profundis do escritor irlandês Oscar Wilde. O intuito é, em última instância, demonstrar que a noção de autor formulada pelo analista do discurso francês permite conferir a certos gêneros de discurso produzidos no campo da literatura, como o relato autobiográfico e as cartas de autores consagrados, um estatuto que está para além de seus valores documental e biográfico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Mussalim, Universidade Federal de Uberlândia
Docente do Instituto de Letras e Linguística da Universidade  Federal de Uberlândia.  Área de especialização: Linguística/Análise do Discurso.  Bolsista produtividade CNPq.
Kelen Cristina Rodrigues, Universidade Federal de Uberlândia
Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos da Universidade Federal de Uberlândia. Realizou estágio de doutoramento na Université de Sorbonne - Paris IV, sob a supervisão de Dominique Maingueneau.

Referências

ANDRADE, M.; BANDEIRA, M. Correspondência. Organização, introdução e notas de Marcos Antonio de Moraes. 2. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; Instituto de Estudos Brasileiros, 2001.

FURTADO, Filipe; MALAFAIA, Maria Teresa. “Introdução”. In: ______. (Orgs.). O pensamento vitoriano: uma antologia de textos. Rio de Janeiro: Edições 70, 1992. p. 09-40.

HOLLAND, Merlin. “Essays, selected journalism, lectures and letters”. In: WILDE, Oscar. Complete works of Oscar Wilde. London: Collins, 2003. p. 907-912.

MAINGUENEAU, Dominique. “Campo discursivo: a propósito do campo literário”. Tradução de Fernanda Mussalim. In: POSSENTI, Sírio; SOUZA-E-SILVA, Maria Cecília Perez de (Orgs.). Doze conceitos em análise do discurso. São Paulo: Parábola, 2010. p. 49-62.

MAINGUENEAU, Dominique. Discurso literário. Tradução de Adail Sobral. São Paulo: Contexto. 2006a.

MAINGUENEAU, Dominique. “Os discursos constituintes”. Tradução de Nelson Barros da Costa. In: POSSENTI, Sírio; SOUZA-E-SILVA, Maria Cecília Perez de (Orgs.). Cenas da enunciação. São Paulo: Parábola, 2006b. p. 37-54.

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos discursos. Tradução de Sírio Possenti. Curitiba: Criar, 2005.

PAGLIA, Camile. Personas sexuais: arte e decadência de Nefertite a Emily Dickinson. Tradução de Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

ROSENFELD, Anatol. “Reflexões sobre o romance moderno”. In: ______. Texto/contexto. São Paulo: Perspectiva, 1976. p. 75-200.

WILDE, Oscar. “De Profundis: epistola in carcere et vinculis”. In: ______. Complete Works of Oscar Wilde. London: Collins, 2003. p. 980-1059.

WILDE, Oscar. “De Profundis: epistola in carcere et vinculis”. In:______. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2007.

Publicado
2014-06-09
Como Citar
Mussalim, F., & Rodrigues, K. (2014). O funcionamento da autoria na epístola De Profundis de Oscar Wilde. Revista Criação & Crítica, (12), 20-32. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i12p20-32
Seção
Artigos