AS FORMAS DO EU NA FICÇÃO DE RODRIGO DE SOUZA LEÃO

  • Juliana Silva Sá Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Juciane Santos Cavalheiro Universidade do Estado do Amazonas
Palavras-chave: Rodrigo de Souza Leão, literatura brasileira, ficção autobiográfica, narração, autoficção.

Resumo

Os registros biográficos acerca de Rodrigo de Souza Leão nos permitem estabelecer algumas conexões entre o factual e o fictício registrado em suas obras literárias. As personagens dos romances e as ações a que são submetidas reproduzem, em certa medida, alguns dos atributos individuais e dos eventos experimentados pelo escritor. A hipótese de um projeto autoficcional nos parece, portanto, válida, justificando, assim, diferentes graus de parentesco entre a obra literária e seu criador. Considerando essas impressões, neste trabalho propomos uma leitura sobre as funções/ figurações pelas quais os narradores-personagens de Todos os cachorros são azuis (2008), Me roubaram uns dias contados (2010) e O Esquizoide (2011) são reconhecíveis nos respectivos romances, assim assumidos: narrador-autor; narrador como testemunha; e narrador-dramaturgo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Silva Sá, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutoranda em Letras – Literatura Comparada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Mestre em Letras e Artes (2014) pelo Programa de Pós-Graduação em Letras e Artes da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e Graduada em Letras: habilitação em Língua Portuguesa e suas literaturas (2012), pela mesma instituição. Produtora editorial e redatora.

Juciane Santos Cavalheiro, Universidade do Estado do Amazonas
Doutora em Linguística (2009) pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Mestre em Linguística Aplicada (2005) e Graduada em Letras (2003) pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS. Leciona nos cursos de graduação em Letras e de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Letras e Artes (PPGLA), ambos da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), atuando, desde 2011, como coordenadora deste último. É autora de Literatura e Enunciação (2010), organizadora de Literatura, Interfaces, Fronteiras (2010) e Alteridade consoante (2013).

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha (Homo Sacer III). Trad. Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2008.

AGAMBEN, Giorgio. “O autor como gesto”. In: Profanações. São Paulo: Boitempo, 2007. p. 55-63.

BARRETO, Lima. O cemitério dos vivos. São Paulo/Rio de Janeiro: Editora Planeta do Brasil/Fundação Biblioteca Nacional, 2004.

BARRETO, Lima. Diário do hospício; O cemitério dos vivos. São Paulo: Cosac. Naify, 2010.

BARTHES, Roland. “A morte do autor”. In: O rumor da língua. Trad. Mário Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CAVALHEIRO, Juciane dos Santos. “A concepção do autor em Bakhtin, Barthes e Foucault”. Signum: Estudos da Linguagem, Londrina, v.11, n.2, p. 67-81, dez., 2010.

COLONNA, Vincent. Autofictions & autres mythomanies littéraires. Auch: Tristram, 2004.

DOUBROVSKY, Serge. Fils. Paris: Galilée, 1977.

FOUCAULT, Michel. “A escrita de si”. In: ¬¬ O que é um autor? 7. ed. Lisboa: Vega, 2009.

FOUCAULT, Michel. Problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria e psicanálise. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002. p. 232-267. (Ditos & Escritos, vol. I.).

FOUCAULT, Michel. “O que é um autor?” In: Estética: literatura e pintura, música e cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001. p. 264-298. (Ditos e Escritos, vol. III).

GASPARINI, Philippe. Autofiction: une aventure du langage. Paris: Seuil, 2008.

HIDALGO, Luciana. “Autoficção brasileira: influências francesas, indefinições teóricas”. Alea [online]. Rio de Janeiro, vol. 15, n. 1, p. 218-231, jan. – jun. 2013.

HIDALGO, Luciana. Literatura da urgência: Lima Barreto no domínio da loucura. São Paulo: Annablume, 2008.

KLINGER, Diana. Escritas de si e escritas do outro: autoficção e etnografia na literatura latino-americana contemporânea. 2006. 204f. Tese (Doutorado em Literatura Comparada. Curso de Pós-Graduação em Letras), Faculdade de Letras, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

KLINGER, Diana. “Escrita de si como performance”. Revista Brasileira de Literatura Comparada, n. 12, 2008. p. 11-30.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Trad. Jovita Maria Gerheim Noronha e Maria Inês Coimbra Guedes, Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

MIRANDA, Wander Melo. “A ilusão autobiográfica”. In: Corpos Escritos: Graciliano Ramos e Silviano Santiago. 2. ed. São Paulo: Edusp, 2009. p. 25-41.

SOUZA, Eneida Maria. Janelas Indiscretas: Ensaios de crítica biográfica. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

SOUZA LEÃO, Rodrigo de. Todos os cachorros são azuis. Rio de Janeiro: 7Letras, 2008.

SOUZA LEÃO, Rodrigo de. Me roubaram uns dias contados. Rio de Janeiro: Record, 2010.

SOUZA LEÃO, Rodrigo de. O Esquizoide: coração na boca. Rio de Janeiro: Record, 2011.

Publicado
2014-12-12
Como Citar
Sá, J., & Cavalheiro, J. (2014). AS FORMAS DO EU NA FICÇÃO DE RODRIGO DE SOUZA LEÃO. Revista Criação & Crítica, (13), 138-149. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i13p138-149
Seção
Artigos