Sem regras nem freios - Loucura e criação na discussão romântica em torno do gênio

Autores

  • Yuri Cerqueira dos Anjos Universidade de São Paulo - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - Departamento de Letras Modernas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i13p3-11

Palavras-chave:

Genialidade, Loucura, Romantismo, Victor Hugo.

Resumo

A relação entre genialidade e loucura, tópos bastante antigo, parece ganhar contornos peculiares no pensamento romântico. Inspirado, ultrassensível, isolado e visionário, o gênio romântico transita com certa frequência no campo semântico da loucura. Entre oráculo, profeta e louco, ele se caracteriza pela sua capacidade de transgredir o estado atual das coisas e criar um novo mundo de possibilidades e experiências. Nesse sentido, exploraremos no presente artigo alguns aspectos dessa relação entre o gênio e o louco no contexto do debate romântico francês do início do século XIX e no livro William Shakespeare, de Victor Hugo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yuri Cerqueira dos Anjos, Universidade de São Paulo - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - Departamento de Letras Modernas

Mestre em Literatura Francesa pela ENS-LYON.

Doutorando do Departamento de Letras Modernas da FFLCH-USP.

Referências

BALZAC, H. Illusions perdues. Paris: Pocket, 2008 [1a ed. 1837-1843].

BÉNICHOU, P. Romantismes Français I et II. Paris: Gallimard, 2004, 2 v. [1a ed. 1973-1992].

BRISSETTE, P. “Poète malheureux, poète maudit, malédiction littéraire”. COnTEXTES [online], Varia, 2008. Disponível em: <http://contextes.revues.org/1392#ftn46>. Acesso em: 10 jul. 2014.

BROMBERT, V. “Hugo’s ‘William Shakespeare’: The Promontory and the Infinite”. The Hudson Review, New York, v. 34, n. 2, p. 249-257, 1981.

CURTIUS, E. R. “A Loucura Divina dos Poetas”. In: Literatura Europeia e Idade Média Latina. São Paulo: Edusp, 2013 [1a ed. 1957].

DIAZ, J.-L. “Paratopies romantiques”. COnTEXTES [online], n. 13, 2013. Disponível em: <http://contextes.revues.org/5786>. Acesso em: 10 jul. 2014.

HUGO, V. William Shakespeare. Paris: Librairie Internationale, 1864.

________. Hernani. Paris: Librio, 2006 [1a ed. 1830].

JASENAS, E. “La Cohérence d’un texte: ‘William Shakespeare’ de Victor Hugo”. Nineteenth-Century French Studies, Lincoln, v. 20, n. 1/2, p. 85-96, out.-inv. 1991-1992.

LOMBROSO, C. L’Homme de génie. Paris: F. Alcan, 1889 [1a ed. 1864].

MILLET, C. Le Romantisme. Paris: Le Livre de Poche, 2007.

MILNER, M. “Présentation”. Romantisme, Paris, n. 24, p. 3-5, 1979.

RIFFATERRE, M. “La vision hallucinatoire chez Victor Hugo”. MLN, Paris, v. 78, n. 3, p. 225-241, 1963.

RIGOLI, J. Lire le délire. Paris: Fayard, 2001.

TELLIER, V. “Le Discours du fou dans le récit romantique européen”, 2007. Disponível em : <http://vox-poetica.com/sflgc/actes/JE2011/tellier.html>. Acesso em: 10 jul. 2014.

VIGNEST, R. “Le mage et l’histoire: poésie et rédemption dans William Shakespeare de Victor Hugo”. Littérature, Paris, n. 126, p. 18-39, 2002.

Periódicos do século XIX:

Le Conservateur. Paris, Vol. VI, 1820. Disponível em:

<http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/cb32747421f/date.r=Le+conservateur>. Acesso em: 10 jul. 2014.

Le Constitutionnel. Disponível em: <http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/cb32747578p/date>. Acesso em: 10 jul. 2014.

Downloads

Publicado

2014-12-12

Como Citar

Anjos, Y. C. dos. (2014). Sem regras nem freios - Loucura e criação na discussão romântica em torno do gênio. Revista Criação & Crítica, (13), 3-11. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i13p3-11

Edição

Seção

Artigos