[1]
G. Fernandes, “Hervé Guibert: autoficção e o corpo teatralizado”, Rev. Cria. Crít., nº 17, p. 47-60, dez. 2016.