[1]
G. da S. Forster, “O Lobo da Estepe: uma escritura selvagem”, Rev. Cria. Crít., nº 9, p. 111-127, nov. 2012.