[1]
Álvaro Faleiros, “A cadelinha de Baudelaire, na fronteira do traduzir”, Rev. Cria. Crít., nº 11, p. 111-119, nov. 2013.