A tomada de consciência em A paixão segundo G.H.: uma perspectiva do feminismo existencialista

  • Ludmilla Carvalho Fonseca Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Palavras-chave: Tomada de consciência, Clarice Lispector, Feminismo existencialista.

Resumo

A proposta deste artigo é investigar a tomada de consciência em A Paixão Segundo G.H., de Clarice Lispector, como uma perspectiva do feminismo existencialista na literatura clariceana. O principal objetivo é demonstrar que o feminismo existencialista presente na obra em questão está vinculado ao fenômeno da tomada de consciência vivida pela personagem G.H. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ludmilla Carvalho Fonseca, Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Graduada em Letras - Português/Inglês pela Universidade Estadual de Goiás (UEG); mestre em Literatura e Práticas Sociais pela Universidade de Brasília (UnB); doutoranda em Letras pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), campus de Assis.

Referências

AUERBACH, E. Mimesis. A representação da realidade na literatura ocidental. 6ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2013.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BOSI, A. História concisa da literatura brasileira. 43ª ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. 11ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BUTLER, J. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. 9ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CHANEL BALAS, A. La prise de conscience de sa maniere d'apprendre. De la métacognition implicite à la métacognition explicite. Docteur en Science de l’éducation (thèse de doctorat).

Université Grenoble II. Pierre Mendes-France U.F.R. Sciences de l'Homme et de la Société Departement Sciences de l'Éducation. Saint-Martin-d'Hères, 1998, 325 p.

CIXOUS, H. Aproximação de Clarice Lispector. Deixar-se ler (por) Clarice Lispector – A Paixão segundo C.L. Revista Tempo Brasileiro, vol. 1, nº 1, trimestral. Rio de janeiro: Tempo Brasileiro, 1962, p. 9 – 24.

ECO, U. A obra aberta. São Paulo: Perspectiva, 1971.

FUNCK, S. B. Crítica literária feminista. Uma trajetória. Florianópolis: Insular, 2016.

IANNACE, R. A leitora Clarice Lispector. São Paulo: Edusp, 2001.

LISPECTOR, C. A paixão segundo G.H. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

NUNES, B. O drama da linguagem. Uma leitura de Clarice Lispector. 2ª ed. São Paulo: Ática, 1995.

ONFRAY, M. A arte de ter prazer. Por um materialismo hedonista. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

ONFRAY, M. A escultura de si. A moral estética. Rio de Janeiro: Rocco, 1995.

SÁ, O. de. A escritura de Clarice Lispector. 3ª ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

SANT’ANNA, A. R. de. Análise estrutural de romances brasileiros. 2ª ed. Petrópolis: Vozes, 1973.

SARTRE, J-.P. O ser e o nada. Ensaio de ontologia fenomenológica. 15ª ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

Publicado
2017-12-20
Como Citar
Fonseca, L. (2017). A tomada de consciência em A paixão segundo G.H.: uma perspectiva do feminismo existencialista. Revista Crioula, (20), 240-259. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2017.137529
Seção
Dossiê: Diálogos de resistência: perspectivas feministas e literatura (ARTIGOS)