Entre a persistência na tradição e a aceitação da modernidade: o lugar da mulher moçambicana em contos de Aníbal Aleluia e Mia Couto

  • Maria Marta dos Santos Silva Nóbrega Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
Palavras-chave: mulher, tradição, resistência, conto, Moçambique

Resumo

Na narrativa produzida por homens em Moçambique, geralmente a mulher apresenta-se subalternizada, condição que lhe impôs o sistema patriarcalismo herdado do colonialismo europeu. O presente artigo propõe-se demonstrar que a contista de Mia Couto e Aníbal Aleluia foge dessa generalização e apresenta a mulher como símbolo de resistência à política de assimilação, atribuindo-lhe um papel de agente responsável pela manutenção de valores da cultura local.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Marta dos Santos Silva Nóbrega, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
Professora de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa da Unidade Acadêmica de Letras da Universidade Federal de Campina Grande e Pós-doutoranda em Literatura e Interculturalidade pela Universidade Estadual da Paraíba

Referências

ALELUIA, Aníbal. Mbelele e outros contos. Maputo: Associação dos Escritores Moçambicanos, 1987.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2007.

CÉSAIRE, Aimé. Cultura e colonização. In: Manuela Ribeiro Sanches (org). Malhas que os impérios tecem. Textos anticoloniais contextos pós-colo¬niais. Lisboa: Edições 70: 2011. p. 253-272.

CHABAL, Patrick. Vozes Moçambicanas. Lisboa: Veja, 1994.

CHEVALIER, Jean & GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Trad. Vera Costa e Silva et al. 11. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1997.

CHIZIANE, Paulina. Eu, mulher, por uma nova visão do mundo. 2ª ed. Belo Horizonte: Nandyala, 2016.

COUTO, Mia. A Confissão da Leoa. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

COUTO, Mia. Estórias Abensonhadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas - tradução de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008. 194p.

HALL, Stuart. “Quando foi o pós colonial? Pensando no limite” in Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. Tradução de Rogério Fernandes. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

MATA, Inocência. Literatura angolana: silêncios e falas de uma voz inquieta. Lisboa: Mar Além, 2001.

SANTOS , Alexsandra Marchado da Silva dos. Caminhos da memória. Uma reflexão sobre contos e crônicas do escritor Mia Couto.. Dissertação (Mestrado em Letras) – Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.

SCHIMDT, Simone. Onde está o sujeito pós-colonial? (Algumas reflexões sobre o espaço. e a condição pós-colonial na literatura angolana). Disponível em . Acesso em 27 dez. 2016.

Publicado
2017-12-20
Como Citar
Nóbrega, M. M. (2017). Entre a persistência na tradição e a aceitação da modernidade: o lugar da mulher moçambicana em contos de Aníbal Aleluia e Mia Couto. Revista Crioula, (20), 260-285. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2017.137531
Seção
Dossiê: Diálogos de resistência: perspectivas feministas e literatura (ARTIGOS)