Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Ruy Duarte de Carvalho: habitando a fronteira da autoficção

Laura Regina dos Santos Dela Valle

Resumo


Neste artigo busca-se analisar de que modo o antropólogo e escritor angolano Ruy Duarte de Carvalho habita sua própria narrativa, a maneira como se autoficcionaliza e adentra o espaço do Outro. Para dar conta dessa análise far-se-á necessário buscar suporte na teoria com Diana Klinger (2007), Laura Padilha (2010) e Wolfgang Iser (2013), entre outros.


Palavras-chave


autoficção; autobiografia; autor; narrador

Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHO, Ruy Duarte. Os papéis do Inglês. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

_________. Os filhos de Próspero: as paisagens propícias. Lisboa: Cotovia, 2005.

_________. Os filhos de Próspero: a terceira Metade. Lisboa: Cotovia, 2009.

COSTA LIMA, Luiz. Júbilos e misérias do pequeno eu. In: Sociedade e discurso ficcional. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1986.

ISER, Wolfgang. O fictício e o imaginário. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2013.

PADILHA, Laura Cavalcante. Veredas ao sul: a escrita ficcional de Ruy Duarte de Carvalho. Ipotesi, Juiz de Fora, v. 14, n. 2, p. 159 - 167, jul./dez. 2010.

SIBILIA, Paula. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

KLINGER, Diana Irene. Escritas de si, escritas do outro: o retorno do autor e a virada etnográfica. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2018.142658

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.