Literatura negra: do direito ao sonho

Palavras-chave: literatura negra, ensino de literatura, relações étnico-raciais

Resumo

A relação dos diferentes grupos sociais com a literatura e a criação de novas literaturas estão ligadas a fatores sociais dos mais diversos. Este artigo tem como objetivo mostrar como as diversas exclusões às quais a população negra brasileira foi submetida criaram barreiras para que literatura fizesse parte da vida da maioria das crianças e jovens negros brasileiros. Essa realidade faz com que o direito humano à literatura, defendido por Antônio Cândido, seja um sonho um tanto mais distante para essa população. De forma que importa aqui refletirmos sobre trajetória de autores que, em alguma medida, superaram as determinações sociais, assim como refletir caminhos para uma educação que inclua de fato a literatura negra na formação dos jovens leitores para que esses tenham assim mais motivos para sonhar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deborah Monteiro, Universidade de São Paulo (USP)
Cursa mestrado em Educação na Universidade de São Paulo na área de concentração Cultura, Filosofia e História da Educação, com orientação da Profª Dra. Ana Cristina Zimmermann. Sua pesquisa diz respeito à descolonização do currículo de literatura considerando a corporeidade negra. É graduada em Letras (Português/Inglês) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e professora de Língua Portuguesa na escola municipal CEU EMEF Profº Dr. Paulo Gomes Cardim da DRE Itaquera. Durante a graduação, desenvolveu Iniciação Científica intitulada Culturas Juvenis e Letramento Escolar: um diálogo Possível?, sob orientação da Prof Drª Jacqueline Peixoto Barbosa. Desde 2011, trabalha como professora de Língua Portuguesa na Prefeitura de São Paulo, tendo atuado como Professora Orientadora de Sala de Leitura entre 2011 e 2013, lecionando em todas as etapas e séries do Ensino Fundamental. Em meados de 2014, Deborah foi convidada a trabalhar como Formadora na equipe DIPED da Diretoria de Ensino da Penha, onde atuou elaborando e regendo formações para docentes e coordenadores, debatendo políticas públicas educacionais e orientando Grupos de Trabalho como o GTP Educação para as Relações Étnico-raciais da Região da Penha. Atualmente, retornou para a unidade escolar em que leciona Língua Portuguesa para os 8ºs e 9ºs anos.

Referências

ADICHIE, Chimamanda. Os Perigos de uma História Única. Palestra no TED, evento estadunidense de conferências, jul. 2009. Disponível em: http://homoliteratus.com/literatura-eidentidadechimamanda-adichie-e-o-perigo-de-uma-unica-historia/. Acesso em: 11 out. 2017.

BENTO, Maria Aparecida da Silva; SANTOS, Shirley dos; SILVA JUNIOR, Hédio. Políticas de Promoção da Igualdade Racial na Educação. São Paulo: CEERT, 2010.

CANDIDO, Antonio. O direito à Literatura. In: Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995, p. 235-263.

COUTO, Mia. A Confissão da Leoa. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

DALCASTAGNÈ, Regina. A personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990-2004. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 26, p. 13-71, jul.-dez. 2005.

FERNANDES, Viviane Barboza; SOUZA, Maria Cecilia Cortez Christiano de. Identidade Negra entre exclusão e liberdade. Rev. Inst. Estud. Bras., São Paulo, n. 63, p. 103-120, abr. 2016.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de Despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Ática, 2007.

JOUVE, Vincent. A Leitura. Trad. Brigitte Hervot. São Paulo: UNESP, 2002.

MATA, Juan. O direito das crianças de sonhar. In: GOBBI, Marcia Aparecida; PINAZZA, Mônica Appezzato (Org.). Infância e suas linguagens. São Paulo: Editora Cortez, 2014, p. 45-71.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom; LEVINE, Robert M. Cinderela Negra – A Saga de Carolina Maria de Jesus. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1994.

PROENÇA FILHO, Domício. A trajetória do negro na literatura brasileira. Estudos Avançados, São Paulo, v. 18, n. 50, p. 161-193, jan.-abr. 2004.

RIBEIRO, Luz. Menímetros. 3 jan. 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=CTY8Fs2K3k8. Acesso em: 15 out. 2017.

ROMAGNOLLI, Luciana. A literatura como um sonho: entrevista com Ana Maria Machado. O Tempo, 13 jan. 2012. Disponível em: http://www.otempo.com.br/divers%C3%A3o/magazine/a-literatura-como-um-sonho-1.347611. Acesso em: 14 out. 2017.

SARTESCHI, Rosangela. Caminhos da resistência literária em seis poetas negros contemporâneos brasileiros. Via Atlântica, São Paulo, n. 27, p. 383-397, jun. 2015.

SILVA, Mário Augusto Medeiros. A descoberta do insólito: literatura negra e literatura periférica no Brasil (1960-2000). Rio de Janeiro: Aeroplano, 2013.

SOUSA, Andréia Lisboa de. A representação da personagem feminina negra na literatura infanto-juvenil brasileira. In: BRASIL. Ministério da Educação. Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005, p. 185-204. (Coleção Educação para todos)..

Publicado
2018-06-30
Como Citar
Monteiro, D. (2018). Literatura negra: do direito ao sonho. Revista Crioula, (21), 156-175. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2018.142676
Seção
Dossiê: Cânone e silêncios: o (não) lugar das minorias na Literatura (ARTIGOS)