Mediação e transculturação no orientalismo de Antero de Quental

  • José Carvalho Vanzelli Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Antero de Quental, orientalismo, transculturação, Oriente, Budismo

Resumo

Este texto pretende discutir se houve um processo de transculturação nas ideias do poeta português Antero de Quental (1842-1891) a partir de seu contato com o Oriente ao longo de sua vida. Para tanto, nos baseamos na teoria de transculturação do teórico uruguaio Ángel Rama e estudamos em um selecionado de cartas do poeta como sua interação com o pensamento oriental – mais especificamente com a filosofia budista – se alterou desde a década de 70, seu período mais combativo, até sua morte em 1891.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Carvalho Vanzelli, Universidade de São Paulo
Doutorando em Letras (área de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa) e membro de grupos de pesquisa na Universidade de São Paulo (USP). Realiza pesquisa com apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Mestre em Letras (área de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa) pela Universidade de São Paulo com a dissertação "Eça de Queirós e o Extremo Oriente". É bacharel em Letras (Português e Japonês) pela mesma instituição e, entre os anos de 2008 e 2009, participou do Programa de Língua e Cultura Japonesa na Soka University, Hachioji, Tóquio, Japão. Foi Professor Assistente na Hankuk University of Foreign Studies (HUFS), Coreia do Sul nos anos de 2014 e 2015.

Referências

AGUIAR, Flávio; VASCONCELOS, Sandra Guardini. O conceito de transculturação na obra de Ángel Rama. In: ABDALA JR., Benjamim (org.) Margens da cultura. São Paulo: Boitempo, 2004, p. 87-97.

FEITAIS, Paulo. Antero de Quental foi budista? Revista Lusófona de Ciência das Religiões, Lisboa: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias: n. 11, p. 109-124, 2007.

LIMA, Isabel Pires de. O Orientalismo na Literatura Portuguesa (Séculos XIX e XX). In: RODRIGUES, Ana Maria (coord.) O Orientalismo em Portugal. Porto: Edifício da Alfândega, 1999, p.145-160.

LOURENÇO, Eduardo. Antero ou a Noite Intacta. Lisboa: Gradiva, 2007.

MACHADO, Álvaro Manuel. O Mito do Oriente na Literatura Portuguesa. Lisboa: ICALP (Biblioteca Breve), 1983.

MARTINS, Oliveira. Introdução. In: QUENTAL, Antero. Sonetos Completos. 2. ed. Lisboa: Publicações Europa-América, [s.d.], p. 15-28.

MEDEIROS, Fernando Saboia. Anthero de Quental – técnica e inspiração de seus sonetos. Rio de Janeiro: Editora S. A. A Noite, 1938.

MORAES, Carlos Dante de. A Inquietação e o fim trágico de Anthero de Quental. Porto Alegre: Livraria do Globo, 1939.

QUENTAL, Antero. Cartas. 3 volumes. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2009.

QUENTAL, Antero. Sonetos Completos. 2. ed. Lisboa: Publicações Europa-América, [s.d.]

QUEIRÓS, Eça de. Um Gênio que era um Santo. In: Edição Crítica das Obras de Eça de Queirós. Almanaques e outros dispersos. FIALHO, Irene (org.). Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2009, p. 285-329.

SAMARTH, Amil. Espírito indiano de Antero de Quental.Estudos Anterianos, Vila do Conde: Centro de Estudos Anterianos: n. 3: p. 45-66, abr. 1999.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
Vanzelli, J. (2018). Mediação e transculturação no orientalismo de Antero de Quental. Revista Crioula, (21), 735-755. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2018.142981