O movimento Queer Rap no Brasil e a descentralidade da identidade em “Aceite-C”, de Rico Dalasam

  • Eder Ahmad Charaf Eddine Universidade de São Paulo Universidade Federal do Tocantins
Palavras-chave: rap gay, Hip Hop, marcadores sociais da diferença, identidade

Resumo

O Queer Rap (Rap Gay) é um movimento musical que chegou ao Brasil na metade da década de 2010 e tem como expoente o músico Rico Dalasam, com o lançamento da música “Aceite-C”, em 2015. A partir dessa letra e de matérias jornalísticas publicadas sobre o cantor, o presente artigo introduz e analisa o movimento à luz da concepção de descentralidade da identidade.  Para tanto, inicialmente, teoriza sobre o rap como manifestação cultural e artística e descreve o Queer Rap a partir de rappers assumidamente gays. Diante desse artista e de sua peça musical, conclui-se que há variados jogos de identidades no movimento rap e que o Queer Rap busca o enfrentamento do racismo e da homofobia por meio da música e da dança. Muitos desses artistas são gays, negros e pobres e, dentro da política da diferença, esses marcadores fundamentam suas diversas formas de identidade e produções artísticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eder Ahmad Charaf Eddine, Universidade de São Paulo Universidade Federal do Tocantins
Doutorando em Educação pela Universidade de São Paulo. Mestre em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Professor do Magistério Superior da Universidade Federal do Tocantins.

Referências

AMARAL, Monica G. T. do. A estética transgressora do rap e do funk: em direção à reversão dialética da educação pública nas metrópoles brasileiras. In: AMARAL, Monica G. T. do; SOUZA, Maria Cecília C. C. de. Educação pública nas metrópoles brasileiras: impasses e novos desenlaces. Jundiaí: Paco Editorial; São Paulo: Edusp, 2011, p. 279-300.

AMARAL, Monica G. T. do. O dionisíaco e o profano no rap e no funk: em direção à “transvaloração dos valores” da escola pública brasileira. In: MRECH, L. M.; PEREIRA, M. R. (Orgs.). Psicanálise, transmissão e formação de professores. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2011.

AMARAL, Monica G. T. do; FERREIRA, Tiago L. A primavera juvenil no Brasil e no mundo: o “senso de possibilidade” e o sentido da “pós-história” em jogo no aprofundamento do sentido da democracia. Publ. UEPG Ci. Soc. Apl., Ponta Grossa, 22 (2): 215-228, jul./dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2015.

BÉTHUNE, Christian Le rap – une esthétiquehors de La loi. Paris: Éditions Autrement, 2003.

FERREIRA, Maíra S. Hibridismos culturais “glocais” do hip hop. In: AMARAL, Monica G. T. do; SOUZA, Maria Cecília C. C. de. Educação pública nas metrópoles brasileiras: impasses e novos desenlaces. Jundiaí: Paco Editorial; São Paulo: Edusp, 2011, p. 259-278.

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2014a, p. 103-133.

______. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014b.

______. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

HERSCHMANN, Micael. Na trilha do Brasil contemporâneo. In: _______ (Org.). Abalando os anos 90: funk e hip hop: globalização, violência e estilo cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

HILL, Marc Lamont. Batidas, rimas e vida escolar: pedagogia hip hop e as políticas de identidade. Petrópolis: Vozes, 2014.

Sítios consultados

PONCIANO, Ana Luiza. Conheça Rico Dalasam, o pioneiro do queer rap no Brasil. MTV Brasil – Notícias. 2015. Disponível em: ˂http://www.mtv.com.br/noticias/rico-dalasam-queer-rap/˃. Acesso em: 25 jun. de 2015.

RAPPER gay, Rico Dalasam quebra barreiras em seu primeiro clipe, “Aceite-C”. Monster Pop, dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2015.

BLOG Cultura de Rua. Exclusivo: Rico Dalasam mostra que o “fervo é protesto” em Modo Diverso. Rolling Stone Brasil, 10 abr. 2015. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2015.

GUIMARÃES, Juca. Rico Dalasam amplia os limites do rap com estilo. Diário SP, 31 jan. 2015. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2015.

PASCOAL, Carol. Rico Dalasam: rapper gay tem chamado atenção no meio musical. Veja SP, 17 abr. 2015. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2015.

LONGO, Ivan. “O fervo é protesto” Conheça Rico Dalasam o rapper gay que está quebrando tabus. Geledés, 8 jan. 2015. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2015.

SOBRINHO, Wanderley Preite. O rapper gay brasileiro que quebra tabus rimando. Carta Capital, 23 jan. 2015. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2015.

BOLDRINI, Angela. MCs paulistanos fazem rap LGBT e enfrentam homofobia e machismo. Folha de São Paulo, 31 mar. 2015. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2015.

CONHEÇA Rico Dalasam, rapper paulistano de 24 anos que prepara álbum de estreia. Vírgula, 28 fev. 2014. Disponível em: <http://virgula.uol.com.br>. Acesso em: 29 abr. 2015.

MORAIS, Anderson. Gay, negro e rapper, Rico Dalasam quebra barreiras em seu primeiro clipe, intitulado “Aceite-C”. Rap Nacional Download, 18 dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2015.

DIAS, Tiago. Rapper gay, Rico Dalasam quer unir orgulho negro e LGBT na “ferveção”. Uol Música, 19 jan. 2015. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2015.

DALASAM, Rico. Aceite-C. In: DALASAM, Rico. Modo Diverso. [S.l]: Gravação independente, 2015. EP. Faixa 03. Disponível em: <http://www.deezer.com/>. Acesso em: 07 jul. 2015.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
Eddine, E. (2018). O movimento Queer Rap no Brasil e a descentralidade da identidade em “Aceite-C”, de Rico Dalasam. Revista Crioula, (21), 348-377. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2018.143071
Seção
Dossiê: Cânone e silêncios: o (não) lugar das minorias na Literatura (ARTIGOS)