Literatura afro-brasileira e relações étnico-raciais na sala de aula: O papel da literatura para superar o preconceito na escola

  • Cleide Silva de Oliveira Universidade Federal do Piauí - UFPI
  • Jéssica Catharine Barbosa de Carvalho Universidade Federal do Piauí - UFPI
  • Alcione Correa Alves Universidade Federal do Piauí - UFPI
Palavras-chave: relações étnico-raciais, Leis n° 10.639/2003 e 11.645/2008, literatura afro-brasileira, Miriam Alves, conto, Conceição Evaristo, conto.

Resumo

Este trabalho analisa o papel do ensino de literatura afro-brasileira na escola evidenciando as discussões atuais acerca das concepções de relações étnico-raciais no Brasil. Discute-se este tema a partir dos contos “Alice está morta”, de Miriam Alves e “Ana Davenga”, de Conceição Evaristo. Argumenta-se que o estudo da literatura produzida por escritores(as) negros(as) pode ser auxiliar nas discussões sobre a temática das relações étnico-raciais no país, além de ser uma das formas de aplicação da lei 11.645/2008.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleide Silva de Oliveira, Universidade Federal do Piauí - UFPI
Mestranda do Programa de Pós-graduação da UFPI. Mestrado acadêmico em Literatura. Integrante do grupo de Pesquisa Americanidades: lugar, diferença e violência. Professora da Secretaria de Educação do Estado do Piauí.
Jéssica Catharine Barbosa de Carvalho, Universidade Federal do Piauí - UFPI
Mestra em Letras pelo Programa de Pós-graduação da UFPI. Professora tutora pelo Centro de Educação Aberta e à Distância da UFPI. Integrante do grupo de Pesquisa Americanidades: lugar, diferença e violência.
Alcione Correa Alves, Universidade Federal do Piauí - UFPI
Professor Doutor da Pós-graduação em Letras/Literatura da Universidade Federal do Piauí.

Referências

ALVES, Miriam. Alice está morta. In: Cadernos Negros: melhores contos. São Paulo: Quilombhoje, 1998, p. 129-133.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília: Ministério da Educação - MEC, 2004.

CARDOSO, Paulino de Jesus Francisco. Implementação da Lei Federal 10.639/03: significados e desafios da institucionalização da luta anti-racista no Brasil. In _______. (org.) Multiculturalismo e educação: experiências de implementação da Lei Federal 10.639/03 em Santa Catarina. Itajaí: Casa aberta, 2008, p.101-112.

CHAUÍ, Marilena. Participando do debate sobre mulher e violência. In: Perspectiva antropológica da mulher 4. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1985.

COLLINS, Patrícia Hill. Em direção a uma nova visão: raça, classe e gênero como categorias de análise e conexão. In: Reflexões e práticas de transformação feminista. Renata Moreno (org.). São Paulo: Cadernos Sempreviva, 2015.

CUTI. É tempo de mulher. Disponível em: http://manmessias.blogspot.com.br/2015/04/poesia-e-tempo-de-mulher-cuti.html. Acesso em 8 de janeiro de 2018.

DALCASTAGNÉ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 2012.

DUARTE, Eduardo de Assis. Por um conceito de literatura afro-brasileira. In: DUARTE, Eduardo de Assis; FONSECA, Maria Nazareth Soares (org.). Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. 2. ed. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2014, p. 375-403.

EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. 6° ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma poética de nossa afro-brasilidade. Scripta, Belo Horizonte, v. 13, n. 25, 2° sem. 2009, p. 17-31.

EVARISTO, Conceição. Gênero e etnia: uma escre (vivência) de dupla face. Mulheres no mundo: etnia, marginalidade e diáspora. In: Escritoras brasileiras contemporâneas. Nadilza Martins de Barros Moreira e Liane Schneider (orgs). João Pessoa: Idéia/Editora Universitária, 2005.

EVARISTO, Conceição. Ana Davenga. In: Cadernos Negros: melhores contos. São Paulo: Quilombhoje, 1998, p. 31-41.

GOMES, Carlos Magno. Ensino de literatura e cultura: do resgate à violência doméstica. Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

GOMES, Ana Beatriz Sousa. A pedagogia do Movimento Negro em Instituições de Ensino em Teresina, Piauí: as experiências do NEAB ÌFARADÁ e do Centro Afrocultural “Coisa de Nego”. 261f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2007.

GOMES, Nilma Lino. Educação e relações raciais: refletindo sobre algumas estratégias de atuação. In: MUNANGA, Kabengele (org.). Superando o racismo na escola. 2° ed. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2008. p. 139-150.

MATHIAS, Adélia Regina da Silva. VOZES FEMININAS NO “QUILOMBO DA LITERATURA”: a interface de gênero e raça nos Cadernos Negros. Dissertação (Mestrado em Literatura). Universidade de Brasília. Brasília. 2014. Disponível em: <http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/17188/1/2014_AdeliaReginadaSilvaMathias.pdf>. Acesso em 19 de junho de 2017.

MENDES, Melissa Rosa Teixeira. Uma análise das representações sobre as mulheres no Maranhão da primeira metade do século XIX a partir do romance Úrsula, de Maria Firmina dos Reis. 149f. 2013. Dissertação (Mestrado em História Social). Universidade Federal do Maranhão. São Luís, 2013.

NOLASCO, Edgar Cézar. Quando as teorias itinerantes esbarram nas teorias do sul. Cadernos de estudos culturais, Campo Grande, MS, v. 1, p. 25-40, jan./jul. 2017.

NOLASCO, Edgar Cézar; BESSA-OLIVEIRA, Marcos Antônio. No Brasil, estudar cultura brasileira “é” o mesmo que estudar estudos culturais?. Revista Rascunhos Culturais, Coxim/MS, v.1, n.2, p. 301 - 316, jul./dez.2010

OLIVEIRA, Jônata Alisson Ribeiro de. A resistência ao olho do poder: rastro, gênero e colonialidade no romance Eu, Tituba, feiticeira... negra de Salem, de Maryse Condé. 82f. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal do Piauí. Teresina, 2016

PESSANHA, Márcia Maria de Jesus. O negro na confluência da educação e da literatura. In: OLIVEIRA, Iolanda (org.). Relações raciais e educação: novos desafios. Rio de Janeiro: DP&A, 2003, p. 145-172.

PINA, Rute. Ensino de história da África ainda não está nos planos pedagógicos, diz professora. Disponível em: <https://www.brasildefato.com.br/2017/01/08/ensino-de-historia-da-africa-ainda-nao-esta-nos-planos-pedagogicos-diz-professora/> Acesso em: 16 jan. 2017.

SAFFIOTI, I.B. Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004.

SILVA, Ana Célia. A desconstrução da discriminação no livro didático. In: MUNANGA, Kabengele (org.). Superando o racismo na escola. 2° ed. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2008, p.17-33.

SILVA, Roberto da; TOBIAS, Juliano da Silva. A educação para as relações étnico-raciais e os estudos sobre racismo no Brasil. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, Brasil, n. 65, p. 177-199, dez. 2016.ALVES, Miriam. Alice está morta. In: Cadernos Negros: melhores contos. São Paulo: Quilombhoje, 1998, p. 129-133.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília: Ministério da Educação - MEC, 2004.

BRASIL. Lei 10.639 de 09 de janeiro de 2003. Brasília, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 7 maio 2018.

CARDOSO, Paulino de Jesus Francisco. Implementação da Lei Federal 10.639/03: significados e desafios da institucionalização da luta anti-racista no Brasil. In: Multiculturalismo e educação: experiências de implementação da Lei Federal 10.639/03 em Santa Catarina. Itajaí: Casa aberta, 2008, p. 101-112.

CARVALHO, Jéssica Catharine Barbosa de. Literatura e atitudes políticas: olhares sobre o feminino e antiescravismo na obra de Maria Firmina dos Reis. Dissertação (Mestrado em Letras), Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2018. Disponível em: <https://drive.google.com/drive/folders/12dtFCFkzJsfjKUAhBh_VviO7iFym8tyl>. Acesso em: 7 maio 2018.

CHAUÍ, Marilena. Participando do debate sobre mulher e violência. In: Perspectiva antropológica da mulher 4. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1985.

CUTI. É tempo de mulher. Disponível em: http://manmessias.blogspot.com.br/2015/04/poesia-e-tempo-de-mulher-cuti.html. Acesso em: 8 de jan. 2018.

DALCASTAGNÉ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 2012.

DUKE, Dawn. Narrativas afrofemininas no Brasil. In: A escritora brasileira afro-brasileira – ativismo e arte literária. Dawn Duke (Org.). Belo Horizonte: Editora Nandyala, 2016a.

DUARTE, Eduardo de Assis. Por um conceito de literatura afro-brasileira. In: DUARTE, Eduardo de Assis; FONSECA, Maria Nazareth Soares (Orgs.). Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. 2. ed. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2014, p. 375-403.

EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma poética de nossa afro-brasilidade. Scripta, Belo Horizonte, v. 13, n. 25, p. 17-31, 2009. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/4365. Acesso em: 7 maio 2018.

_________. Gênero e etnia: uma escre(vivência) de dupla face. Mulheres no mundo: etnia, marginalidade e diáspora. In: MOREIRA, Nadilza Martins de Barros; SCHNEIDER, Liane (Orgs.). Escritoras brasileiras contemporâneas. João Pessoa: Idéia/Editora Universitária, 2005.

_________. Ana Davenga. In: Cadernos Negros: melhores contos. São Paulo: Quilombhoje, 1998, p. 31-41.

GOMES, Carlos Magno. Ensino de literatura e cultura: do resgate à violência doméstica. Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

GOMES, Ana Beatriz Sousa. A pedagogia do Movimento Negro em Instituições de Ensino em Teresina, Piauí: as experiências do NEAB ÌFARADÁ e do Centro Afrocultural “Coisa de Nego”. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2007.

GOMES, Nilma Lino. Educação e relações raciais: refletindo sobre algumas estratégias de atuação. In: MUNANGA, Kabengele (Org.). Superando o racismo na escola. 2 ed. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2008, p. 139-150.

HILL COLLINS, Patricia. Em direção a uma nova visão: raça, classe e gênero como categorias de análise e conexão. In: MORENO, Renata (Org.). Reflexões e práticas de transformação feminista. São Paulo: SOF, 2015, p. 13-42 (Coleção Cadernos Sempreviva. Série Economia e Feminismo, 4). Disponível em: http://www.sof.org.br/wp-content/uploads/2016/01/reflex%C3%B5 esepraticasdetransforma%C3%A7%C3%A3ofeminista.pdf. Acesso em: 30 abr. 2018.

HOOKS, Bell. Intelectuais negras. Revista Estudos feministas, vol. 3, n. 2, p. 464-478, 1995. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16465/15035. Acesso em: 29 abr. 2018.

MATHIAS, Adélia Regina da Silva. VOZES FEMININAS NO “QUILOMBO DA LITERATURA”: a interface de gênero e raça nos Cadernos Negros. Dissertação (Mestrado em Literatura). Universidade de Brasília, Brasília, 2014. Disponível em: http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/17188/1/2014_AdeliaReginadaSilvaMathias.pdf. Acesso em: 19 jun. 2017.

MENDES, Melissa Rosa Teixeira. Uma análise das representações sobre as mulheres no Maranhão da primeira metade do século XIX a partir do romance Úrsula, de Maria Firmina dos Reis. Dissertação (Mestrado em História Social), Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2013.

MOREIRA, Maria Aparecida Rita. (Re)pensando as relações entre literatura e sociedade. In:______. A educação para as relações étnico-raciais e o ensino de literatura no ensino médio: diálogos e silêncios. Tese (Doutorado em Teoria Literária) – Programa de Pós-graduação em Literatura, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014, p. 39-52.

NOLASCO, Edgar Cézar. Quando as teorias itinerantes esbarram nas teorias do sul. Cadernos de estudos culturais, Campo Grande, v. 1, p. 25-40, jan./jul. 2017. Disponível em: http://seer.ufms.br/index.php/cadec/article/view/4218. Acesso em: 7 maio 2018.

NOLASCO, Edgar Cézar; BESSA-OLIVEIRA, Marcos Antônio. No Brasil, estudar cultura brasileira “é” o mesmo que estudar estudos culturais? Revista Rascunhos Culturais, Coxim, v. 1, n. 2, p. 301-316, jul./dez. 2010. Disponível em: http://revistarascunhos.sites.ufms.br/files/2012/07/2ed_ensaio_1.pdf. Acesso em: 7 maio 2018.

OLIVEIRA, Jônata Alisson Ribeiro de. A resistência ao olho do poder: rastro, gênero e colonialidade no romance Eu, Tituba, feiticeira... negra de Salem, de Maryse Condé. 82f. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal do Piauí. Teresina, 2016. Disponível em: https://drive.google.com/drive/folders/0B5wrKyOZNlBYcWNiYm15RXpfVkE. Acesso em 7 maio 2018.

PESSANHA, Márcia Maria de Jesus. O negro na confluência da educação e da literatura. In: OLIVEIRA, Iolanda (Org.). Relações raciais e educação: novos desafios. Rio de Janeiro: DP&A, 2003, p. 145-172.

PINA, Rute. Ensino de história da África ainda não está nos planos pedagógicos, diz professora. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2017/01/08/ensino-de-historia-da-africa-ainda-nao-esta-nos-planos-pedagogicos-diz-professora/ Acesso em: 16 jan. 2017.

SAFFIOTI, I.B. Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004

SILVA, Ana Célia. A desconstrução da discriminação no livro didático. In: MUNANGA, Kabengele (Org.). Superando o racismo na escola. 2. ed. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2008, p. 17-33.

SILVA, Maria do Desterro da Conceição. Violência-resistência em “Duzu-querença” e “Ana Davenga”, de Conceição Evaristo. Dissertação (Mestrado em Letras), Universidade Federal do Piauí, 2017, 95f. Orientação: Prof. Dr. Alcione Correa Alves. Disponível em: https://drive.google.com/drive/folders/12dtFCFkzJsfjKUAhBh_VviO7iFym8tyl. Acesso em: 7 maio 2018.

SILVA, Roberto da; TOBIAS, Juliano da Silva. A educação para as relações étnico-raciais e os estudos sobre racismo no Brasil. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, Brasil, n. 65, p. 177-199, dez. 2016.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
Oliveira, C., Carvalho, J. C., & Alves, A. (2018). Literatura afro-brasileira e relações étnico-raciais na sala de aula: O papel da literatura para superar o preconceito na escola. Revista Crioula, (21), 116-155. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2018.143336
Seção
Dossiê: Cânone e silêncios: o (não) lugar das minorias na Literatura (ARTIGOS)