Literatura de minorias como crítica do presente e politização radical: reflexões desde a literatura indígena brasileira

  • Leno Francisco Danner Universidade Federal de Rondônia
  • Julie Dorrico Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUC-RS
Palavras-chave: minorias, literatura, voz-práxis indígena, crítica do presente, politização radical

Resumo

A partir da afirmação de que as minorias são resultado de uma construção política em um duplo e imbricado movimento, a saber, como negatividade em termos simbólico-normativos e como processo de destruição material, argumentamos que a literatura de minorias de um modo geral e a literatura indígena em particular assumem-se como crítica social e politização radical por meio da própria expressão público-política direta, carnal e vinculada do/a escritor/a, que, ligado umbilicalmente ao grupo de que faz parte e assumindo abertamente essa sua pertença, rompe com o silenciamento, a invisibilização e o privatismo em torno à sua condição, desnaturalizando e, assim, politizando sujeitos, instituições, relações, práticas e valores socialmente hegemônicos que legitimam a construção de minorias, acima explicitada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leno Francisco Danner, Universidade Federal de Rondônia
Doutor em Filosofia (PUCRS). Professor de Filosofia e de Sociologia no Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Rondônia (UNIR).
Julie Dorrico, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUC-RS

Doutoranda em Teoria Literária pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). 

Mestre em Estudos Literários e Graduada em Letras Português e suas respectivas literaturas pela Universidade Federal de Rondônia (UNIR).

Referências

BANIWA, Gersem dos Santos Luciano. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional, 2006.

DALCASTAGNÈ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Editora Horizonte, 2012.

DUSSEL, Enrique. 1492, o encobrimento do outro: a origem do mito da modernidade. Petrópolis: Vozes, 1993.

FANON, Franz. Os condenados da Terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

HABERMAS, Jürgen. Teoria do agir comunicativo (vol. I) : racionalidade da ação e racionalização social. São Paulo: Martins Fontes, 2012a.

HABERMAS, Jürgen. Teoria do agir comunicativo (vol. II): sobre a crítica da razão funcionalista. São Paulo: Martins Fontes, 2012b.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade (vol. I). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003a.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade (vol. II). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003b.

HABERMAS, Jürgen. O discurso filosófico da modernidade: doze lições. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

JEKUPÉ, Olívio. Literatura escrita pelos povos indígenas. São Paulo: Scortecci, 2009.

KAMBEBA, Márcia Wayna. Poemas e crônicas: Ay Kakyri Tama = Eu moro na cidade. Manaus: Grafisa Gráfica e Editora, 2013.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KRENAK, Ailton. Encontros. Organização de Sergio Cohn. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2015.

KRENAK, Ailton. Ailton Krenak. Organização de Sergio Cohn e Idjahure Kadiwel. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2017.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Lisboa: Antígona, 2014.

MIGNOLO, Walter D. La idea de América latina: la herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Editorial Gedisa, 2007.

MUNDURUKU, Daniel. Memórias de índio: uma quase autobiografia. Porto Alegre: EDEL-BRA, 2016.

MUNDURUKU, Daniel. Mundurukando II: roda de conversa com educadores. Lorena: UK’A Editorial, 2017.

MUNDURUKU, Daniel. O caráter educativo do movimento indígena brasileiro (1970-1990). São Paulo: Paulinas, 2012.

POTIGUARA, Eliane. Metade cara, metade máscara. São Paulo: Global, 2004.

QUIJANO, Aníbal. “Colonialidad y modernidad/racionalidad”, Perú Indig., Lima, vol. 13, n. 29, p. 11-20, 1992.

RAWLS, John. O liberalismo político. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

TUKANO, Álvaro. Álvaro Tukano. Organização de Sergio Cohn e Idjahure Kadiwel. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2017.

WERÁ, Kaká. Kaká Werá. Organização de Sergio Cohn e Idjahure Kadiwel. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2017.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
Danner, L. F., & Dorrico, J. (2018). Literatura de minorias como crítica do presente e politização radical: reflexões desde a literatura indígena brasileira. Revista Crioula, (21), 197-233. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2018.143341
Seção
Dossiê: Cânone e silêncios: o (não) lugar das minorias na Literatura (ARTIGOS)