Não somos “portugueses de segunda”: o estabelecimento de identidades mediadas pela memória e pelo esquecimento da colônia

  • Viviane Souza Madeira Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Palavras-chave: memória, esquecimento, colonialismo, Luanda, Goa

Resumo

Este artigo visa discutir a questão da libertação das colônias portuguesas em África e na Índia a partir de dois romances de perspectiva portuguesa: A casa-comboio (2010), de Raquel Ochoa, e O retorno (2011), de Dulce Maria Cardoso. Aqui, observaremos, especialmente, como a memória e o esquecimento da metrópole e da colônia, bem como o que é dito e o que não é dito pelas personagens, contribuem para a construção de identidades específicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Viviane Souza Madeira, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas. Programa de Literatura Portuguesa.

Publicado
2018-12-14
Como Citar
Madeira, V. (2018). Não somos “portugueses de segunda”: o estabelecimento de identidades mediadas pela memória e pelo esquecimento da colônia. Revista Crioula, 1(22), 77-89. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2018.150000