Nós ainda não matamos ninguém – Opressão e violência em O Cão-Tinhoso, de Honwana

  • Fábio Salem Daie Universidade de São Paulo (USP)
Palavras-chave: Luís Bernardo Honwana, Cão-Tinhoso, opressão, colonialismo português

Resumo

O presente artigo visa analisar as representações da opressão e da violência no universo colonial português, construído por Luís Bernardo Honwana em seu conto “Nós Matamos o Cão-Tinhoso”. Para isso, são investigadas principalmente as relações de poder entre as personagens Ginho, Isaura, Quim e Cão-Tinhoso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Salem Daie, Universidade de São Paulo (USP)
Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas, Programa de Estudos Comparados de Literaturas em Língua Portuguesa.

Referências

ANDERSON, Perry. Portugal e o Fim do Ultracolonialismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

ARGUEDAS, José María. Los Ríos Profundos. Madrid: Editorial Cátedra, 2004.

FAULKNER, William. O Som e a Fúria. São Paulo: Cosac&Naify, 2004.

HONWANA, Luís Bernardo. Nós Matamos o Cão-Tinhoso. São Paulo: Editora Ática, 1980.

LABAN, Michel. Moçambique – Encontro com Escritores (vol. II). Porto: Fundação Eng. António de Almeida, 1998

Publicado
2014-12-27
Como Citar
Daie, F. (2014). Nós ainda não matamos ninguém – Opressão e violência em O Cão-Tinhoso, de Honwana. Revista Crioula, (14). https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2014.78582
Seção
Artigos e ensaios