“De um lado armas, do outro, palavras”: apontamentos sobre a relação entre a literatura e a história em Os sobreviventes da noite, de Ungulani Ba Ka Khosa

Autores

  • Ubiratã Souza Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2015.84738

Palavras-chave:

Literatura moçambicana, História, Guerra pós-independência

Resumo

A partir de uma análise das configurações estéticas do romance Os sobreviventes da noite (2008), de Ungulani Ba Ka Khosa, é possível perceber certa estrutura persistente, o aqui chamado presente dependente, que se relaciona com a urgência em narrar uma multiplicidade de histórias, que, se analisada em relação às tendências hegemônicas e centralizadoras do tenso ambiente político da guerra pós-independência em Moçambique, surgem como uma estratégia estética de resistência.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ubiratã Souza, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - Universidade de São Paulo

Mestrado no Programa de Pós-graduação em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa da Universidade de São Paulo. Desenvolve pesquisa sobre as configurações entre estética literária e o conflito armado em Moçambique nos anos de 1980 através de obras de Ungulani Ba Ka Khosa e Lilia Momplé.

Referências

AFOLABI, Niyi (org.). Emerging perspectives on Ungulani Ba Ka Khosa. Trenton: Africa World Press, 2010.

ARAÚJO, Manuel de. O sistema das aldeias comunais em Moçambique: transformações na organização do espaço residencial e produtivo. Lisboa: Universidade de Lisboa, 1988 (Tese).

BRÜCK, Tilman. “Guerra e desenvolvimento em Moçambique”. Análise Social, Lisboa, V. 33, nº 149, 1998.

CAHEN, Michel. “Luta de emancipação anti-colonial ou movimento de libertação nacional? Processo histórico e discurso ideológico – o caso das colônias portuguesas e de Moçambique, em particular”. Africana Studia, Porto, nº VIII, 2005.

FRY, Peter. “Culturas da diferença: sequelas das políticas coloniais portuguesas e britânicas na África Austral”. Afro-Ásia, Salvador, nº 29/30, 2003.

_________. “Pontos de vista sobre a descolonização em Moçambique”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 26, nº 76, jun. 2011.

GEFFRAY, Christian. A causa das armas: antropologia da guerra contemporânea em Moçambique. Porto: Afrontamento, 1991.

KHOSA, Ungulani Ba Ka. Os sobreviventes da noite. Maputo: Texto Editores, 2008.

MACAGNO, Lorenzo. “Fragmentos de uma imaginação nacional”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 24, nº 70, jun. 2009.

__________________. “Multiculturalism in Mozambique?”. Revista Vibrant, Brasília nº 5, v. 2, jul. – dez. 2008.

MATSINHE, Leví Salomão. Moçambique: longa caminhada de destino incerto. Porto Alegre: UFRGS, 2011 (Dissertação).

MENESES, Maria P. & GOMES, Catarina A. “Interrogando a ‘Terceira África’: colonialismo, capitalismo e nacionalismo branco em África Austral”. IN: African dynamics in a multipolar world. Lisboa: ISCTE-IUL, 2014

MOSCA, João. “A agricultura de Moçambique pós-independência: da experiência socialista à recuperação do modelo colonial”. Revista internacional em língua portuguesa, Lisboa, nº 21, 2008.

VISENTINI, Paulo Fagundes. As revoluções africanas: Angola, Moçambique e Etiópia, São Paulo: Unesp, 2012.

Downloads

Publicado

2015-04-25

Como Citar

Souza, U. (2015). “De um lado armas, do outro, palavras”: apontamentos sobre a relação entre a literatura e a história em Os sobreviventes da noite, de Ungulani Ba Ka Khosa. Revista Crioula, (15). https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2015.84738

Edição

Seção

Dossiê: Literatura e Resistência