A "MÍMESIS" FANTÁSTICA NA OBRA SATÍRICA DE NICOLAU TOLENTINO E O "VT PHOTOGRAPHIA POESIS"

  • Rodrigo Gomes de Oliveira Pinto
Palavras-chave: retórica, mímesis fantástica, fotografia, Nicolau Tolentino, Manuel Pinheiro Chagas

Resumo

Na obra satírica do poeta lusitano Nicolau Tolentino de Almeida (1740-1811), os sonetos “Aos toucados altos” e “O colchão dentro do toucado” podem ser lidos como exemplares de poesia cômico-fantástica composta no domínio da prescrição da arte mimética. Assim, feitos da nitidez, da clareza e da vivacidade efetuadas pela figura retórica da hipotipose, os versos desses sonetos fazem parecer empírico o fingido, a fim de escarnecer costumes vistos como desmedidos e fazer iteração moralizante do comedimento. Manuel Pinheiro  Chagas (1842-1895), leitor oitocentista de Nicolau Tolentino, afirma que o uso do verbo “photographar” não é capaz de dizer a vividez descritiva dos versos desses sonetos, de modo que não pareça conveniente ler a obra poética do satirista de acordo com parâmetros que postulem uma espécie de ut photographia poesis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Gomes de Oliveira Pinto
É professor de Literatura no Ensino Médio. Tem graduação em Comunicação Social pela Fundação Armando Álvares Penteado (1996) e em Letras pela Universidade de São Paulo (2004). É mestre (2009) e doutor (2015) em Letras (Literatura Portuguesa) pela Universidade de São Paulo. Dedica-se ao estudo das letras quinhentistas e seiscentistas, com ênfase nos seguintes temas: poética, retórica, prosa e poesia dos séculos XVI e XVII, Antônio Vieira.

Referências

ADORNO, Theodor. Teoria estética. Lisboa: Edições 70, 2006.

ARISTÓTELES. Poética. São Paulo: Ars Poetica, 1993.

AZEVEDO, S. M.; DUSILEK, A.; CALLIPO, D. M. (Org.). Machado de Assis: crítica literária e textos diversos. São Paulo: Editora da Unesp, 2013.

BAENA, Visconde de Sanches. Memorias de Tolentino. Lisboa: Typographia e Stereotypia Moderna, 1886.

BARREIROS, José Colaço. Ler hoje Nicolau Tolentino. In: ALMEIDA, Nicolau Tolentino de. Memoriais e sátiras. Porto: Felício & Cabral, 1995, pp. 5-24.

BARTHES, Roland. A câmara clara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez e latino. Coimbra: Real Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1728.

CASSIN, Barbara (Org.). Vocabulaire Européen des Philosophies. Dictionnaire des Intraduisibles. Paris: Éditions du Seuil; Dictionnaires Le Robert, 2004.

CHAGAS, Manuel Pinheiro. Novos ensaios críticos. Porto: Casa da Viúva Moré Editora, 1867

____________ As satyras de Nicolau Tolentino. O Panorama: Semanario de Litteratura e Instrucção. Volume XVIII. Terceiro da Quinta Série. Lisboa: Typographia Franco-Portugueza, 1868.

____________ “Prólogo”. In: LOBATO, Gervasio. A comédia de Lisboa. 2ª edição. Porto: Livraria Chardron, 1911, pp. V-XXV.

COLERIDGE, Samuel Taylor. Biographia Literaria. London: Rest Fenner, 1817. 2 vols.

COMANINI, Gregorio. Il Figino, overo del fine della pittura. Mantova: Francesco Osanna, 1591.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 2004.

FREIRE, Francisco José. Arte Poetica, ou Regras da Verdadeira Poesia em geral. Lisboa: Offic. Patriarcal de Francisc[o]. Luiz Ameno, 1759. 2 vols.

GARRETT, Almeida. Parnaso lusitano ou poesias selectas dos autores portuguezes antigos e modernos, illustradas com notas. Paris: J. P. Aillaud, 1826.

HANSEN, João Adolfo. A sátira e o engenho: Gregório de Matos e Guerra e a Bahia do século XVII. 2ª ed. rev., São Paulo: Ateliê Editorial; Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2004.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Cursos de Estética I. São Paulo: Edusp, 1999.

HORÁCIO. Arte poetica de Q. Horacio Flaco. Coimbra: Regia Officina da Universidade, 1781.

PLATÃO. O Sofista. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2012.

SILVA, Antonio de Morais. Diccionario da lingua portugueza. Lisboa: Typographia Lacerdin, 1813.

TEIXEIRA, Ivan. Mecenato Pombalino e Poesia Neoclássica: Basílio da Gama e a Poética do Encômio. São Paulo: Edusp, 1999.

TOLENTINO, Nicolau. Obras completas. Lisboa: Typographia de Castro & Irmão, 1861.

____________ Obras poeticas. Lisboa: Regia Officina Typographica, 1801. 2 vols.

____________ Obras posthumas. Lisboa: Typographia Rollandiana, 1828.

____________ Sátiras e outros poemas de Nicolau Tolentino. Apresentação crítica, selecção e notas de Maria da Graça Videira Lopes. Lisboa: Seara Nova, 1978.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
Pinto, R. (2018). A "MÍMESIS" FANTÁSTICA NA OBRA SATÍRICA DE NICOLAU TOLENTINO E O "VT PHOTOGRAPHIA POESIS". Revista Desassossego, 10(19), 185-202. https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v10i19p185-202