BESTIÁRIO DA LITERATURA DA GUERRA COLONIAL PORTUGUESA (ALGUMAS CONSIDERAÇÕES)

  • Norberto Vale Cardoso Instituto Politécnico de Bragança
Palavras-chave: bestiário, guerra colonial, cão.

Resumo

Perscrutando várias obras que tratam o tema do colonialismo e da guerra colonial portuguesa, de entre elas sublinhando a obra de António Lobo Antunes, concluímos não haver uma epopeia que cante, como Os Lusíadas o fazem, o papel do português que combateu nessa guerra. Talvez essa falha de representação (conectada com a urgência em denegar e obliterar as memórias de um tempo em que um país, cuja posição europeia era subalterna, só em África se pensava próspero) derive do facto de o jovem português mobilizado para as colónias africanas não ter tido um papel linear. Efectivamente, a sua acção foi pautada por um desempenho dual, entre a prosperização e o alquebramento de um regime que, por um lado, se sustentava na guerra e, por outro, falhará exactamente através dela. O combatente português desliza para uma hesitação identitária ao nível pessoal e, sobretudo, social, parcialmente resolvida através de um bestiário onde se incluem o lobo e, sobretudo, o cão (imagens que alegorizam a transformação sofrida pelos jovens combatentes). Propomos, pois, que tenha sido na guerra colonial que melhor se tenham espelhado tais binómios: a) a experiência agónica que animaliza (ou canibaliza) o soldado; b) a experiência enquanto conhecimento que o leva a reavaliar a sua identidade individual e, extrapolando, a identidade colectiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Norberto Vale Cardoso, Instituto Politécnico de Bragança

Doutorado em Ciências da Literatura - Literatura Portuguesa

Departamento de Línguas

Referências

Bibliografia Activa:

Antunes, António Lobo. Memória de Elefante. Lisboa: D. Quixote, 2007a. [1979]

________ Fado Alexandrino. Lisboa: D. Quixote, 2007b [1983]

________Os Cus de Judas. Lisboa: D. Quixote, 2008 [1979]

________ Conhecimento do Inferno. Lisboa: D. Quixote, 2004 [1980]

________ Cartas da Guerra. Lisboa: D. Quixote, 2005.

Camões, Luís Vaz de. Os Lusíadas. Lisboa: Biblioteca Ulisseia de Autores Portugueses, 1992 [1572].

________Rimas, texto estabelecido e prefaciado por Álvaro da Costa Pimpão, Coimbra, Livraria Almedina, 1994 [1973].

Ferraz, Carlos Vale. Os Lobos Não Usam Coleira. Lisboa: Editorial Notícias, 1995.

Pacheco, Fernando Assis. A Musa Irregular. Rio Tinto: Edições Asa, 1996 [1991].

__________Respiração Assistida. Lisboa: Assírio & Alvim, 2003.

Pires, José Cardoso. A Balada da Praia dos Cães – Dissertação Sobre Um Crime. Lisboa: Planeta de Agostini, 2001. [1982]

Bibliografia Geral:

Bebiano, Rui. A Pena de Marte: Escrita da guerra em Portugal e na Europa (sécs. XVI-XVIII). Coimbra: Minerva, 2000.

Chevalier, Jean, e Gheerbrant, Alain. Dicionário de Símbolos. Lisboa: Teorema, 1994.

Coelho, Jacinto do Prado. Originalidade da Literatura Portuguesa. Lisboa: Biblioteca Breve / Instituto da Cultura e Língua Portuguesa, 1992 [1977].

Keegan, John. Uma História da Guerra. Lisboa: Tinta-da-China, 2006.

Lukács, Georg. Teoria do romance. Lisboa: Editorial Presença, 1970.

Martinez, Maria, e Maxwell, Richard. Ciências Ocultas. Lisboa: Planeta Editora, 2007.

Page, Martin. 2009. A Primeira Aldeia Global. Lisboa: Casa das Letras, 2009 [2008].

Petrov, Peter. “A componente ideológica em Balada da Praia dos Cães de José Cardoso Pires”. in O Romance Português Pós-25 de Abril. Lisboa: Roma Editora, pp. 11-23, 2006.

Praça, Afonso. Novo Dicionário do Calão. Lisboa: Casa das Letras, 2005 [2001].

Pratt, Mary Louise. Imperial Eyes: Travel Writing and Transculturation. London & New York: Routledge, 1992.

Rebocho, Manuel Godinho. As Elites Militares e a Guerra de África. Lisboa: Roma Editora, 2009.

Ribeiro, Margarida Calafate. Uma História de Regressos: Império, Guerra Colonial e Pós-Colonialismo. Porto: Afrontamento, 2004.

Rousseau, Jean-Jacques. O Contrato Social. Lisboa: Europa-América, 1999 [1762].

Seixo, Maria Alzira. “Bestiário”, in Dicionário da Obra de António Lobo Antunes (Volume II). Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, pp. 75-86, 2008.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
Cardoso, N. (2018). BESTIÁRIO DA LITERATURA DA GUERRA COLONIAL PORTUGUESA (ALGUMAS CONSIDERAÇÕES). Revista Desassossego, 10(19), 59-75. https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v10i19p59-75