MÃE E A INVENÇÃO DA FAMÍLIA: UMA LEITURA PSICANALÍTICA DO ROMANCE O FILHO DE MIL HOMENS COMO UM CONTRAPONTO AO ESTATUTO DA FAMÍLIA

Palavras-chave: O filho de mil homens, Valter Hugo Mãe, psicanálise, entidade familiar.

Resumo

Em 2013 a Câmara dos Deputados apresentou um projeto de lei que dispunha sobre o Estatuto da Família. O projeto, aprovado em Comissão Especial em 2015, aguarda, até o presente momento, votação no plenário. O Estatuto provocou muitas querelas, principalmente em torno de sua estreita definição de entidade familiar, que em alguns trechos se limita a união conjugal firmada entre um homem e uma mulher. Em 2012, um ano antes de o projeto ser apresentado na Câmara, chegou ao Brasil o livro O filho de mil homens, quinto romance de Valter Hugo Mãe. A obra traz como um dos seus temas principais a invenção de uma família e expõe, através dela, como o laço afetivo muitas vezes participa mais do engendramento do núcleo familiar do que laços sanguíneos ou disposições de gêneros. O presente artigo pretende fazer uma leitura psicanalítica do romance de Mãe apresentando-o como um contraponto à definição de entidade familiar proposta pela Estatuto da Família, já que para a teoria psicanalítica, assim como revela também a prosa de Mãe, a família abarca um arranjo muito mais complexo do que o Estatuto busca delimitar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Humberto Moacir de Oliveira, Professor na Faculdade Pitágoras de Ipatinga Mestre pela Universidade Federal de Minas Gerais

Graduado em Psicologia pela PUC-MG

Mestre em Psicologia/Estudos Psicanalíticos pela UFMG.

Coordenador do Centro de Estudos e Pesquisa em Psicanálise do Vale do Aço (CEPP).

Referências

ANGELINI Paulo Ricardo Kralik. Por uma teorização do afeto: uma leitura de Ribamar, de José Castello, e O filho de mil homens, de Valter Hugo Mãe. Nonada, Porto Alegre, n.25, p.14-26, jul./dez. 2015.

ANGELINI Paulo Ricardo Kralik. Recensão de O filho de mil homens. Navegações, Porto Alegre, v.5, n.2, p.247-249, jul./dez. 2012.

BEUTTENMULLER, Eric. Fraternidade de mil homens. Revista Desassossego, São Paulo, n.8, p.187-191, dez. 2012.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de lei 6583/13, 2013. Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=597005. Acesso em: 04 jan. 2018.

BROWN, Wendy. Regulating Aversion: Tolerance in the Age of Identity and Empire. Princeton, Princeton University Press, 2006 citado por ZIZEK, Slavoj. Violência. São Paulo: Boitempo, 2014.

COSTA E SILVA, Fagner. O filho de mil homens e a construção da família moderna. Revista Pontos de Interrogação, Alagoinhas, v.7, n.1, p.193-198, jan.-jun. 2017.

FREUD, Sigmund. Além do princípio do prazer. In FREUD, Sigmund. Edição Standard das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud: Volume XVIII (originalmente publicado em 1920). Rio de Janeiro: Imago, 1996, p. 13-78.

FREUD, Sigmund. Luto e Melancolia. In FREUD, Sigmund. Edição Standard das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud: Volume XIV (originalmente publicado em 1917). Rio de Janeiro: Imago, 1996, p.243-266.

FREUD, Sigmund. Moral sexual civilizada e doença nervosa moderna. In FREUD, Sigmund. Edição Standard das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud: Volume IX (originalmente publicado em 1908). Rio de Janeiro: Imago, 1996, p.165-186.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização. In FREUD, Sigmund. Edição Standard das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud: Volume XXI (originalmente publicado em 1930). Rio de Janeiro: Imago, 1996, p.66-148.

FREUD, Sigmund. Sobre o narcisismo: uma introdução. In FREUD, Sigmund. Edição Standard das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud: Volume XIV (originalmente publicado em 1914). Rio de Janeiro: Imago, 1996, p.75-108.

FREUD, Sigmund. Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In FREUD, Sigmund. Edição Standard das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud: Volume VII (originalmente publicado em 1905). Rio de Janeiro: Imago, 1996, p.117-231.

LACAN, Jacques. O Seminário, livro 7: a ética da psicanálise (originalmente proferido em 1959-60). Tradução de Antonio Quinet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

LACAN, Jacques. Os complexos familiares na formação do indivíduo. In: LACAN, Jacques Outros Escritos (originalmente escrito em 1938). Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

MÃE, Valter Hugo. O filho de mil homens. São Paulo: Biblioteca Azul, 2016.

MILLER, Jacques-Alain. Assuntos de famílias no inconsciente. Tradução de Tania Coelho dos Santos. Revista eletrônica do Núcleo Sephora, v.2, n.4, mai./out., 2007.

ROUDINESCO, Elizabeth. A família em desordem. Tradução de André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.

SARTRE, Jean-Paul. Entre quatro paredes. Tradução de Alcione Araújo e Pedro Hussak. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

SILVA, Danilo Sales de Queiroz. A grande forma de família: em defesa de uma família inventada. Revista Légua e Meia, Feira de Santana, v.8, n.1, p.53-65, 2017.

ZIZEK, Slavoj. Violência. Tradução de Miguel Serras Pereira. São Paulo: Boitempo, 2014.

Publicado
2018-06-30
Como Citar
de Oliveira, H. (2018). MÃE E A INVENÇÃO DA FAMÍLIA: UMA LEITURA PSICANALÍTICA DO ROMANCE O FILHO DE MIL HOMENS COMO UM CONTRAPONTO AO ESTATUTO DA FAMÍLIA. Revista Desassossego, 10(19), 152-174. https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v10i19p152-174