A “A confissão", de Bernardo Santareno: da diferença como locus de luta política

  • Solange Santos Santana Instituto Federal da Bahia
  • Márcio Ricardo Coelho Muniz Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Bernardo Santareno. A confissão. Identidade. Diferença. Discurso.

Resumo

A dramaturgia de Bernardo Santareno (1920-1980) possibilita lidar com personagens singulares que problematizam a noção de identidade como fixa e homogênea. Consequentemente, tem-se um teatro que denuncia a opressão e a discriminação como parte das relações de poder que produzem a identidade e a diferença. Eis o que acontece em A confissão, texto dramático que integra o volume Os marginais e a Revolução (1979). Ao abordar a transexualidade num contexto pós-revolucionário, Santareno nos brinda com Françoise, uma figura que desloca gênero, sexualidade e corpo para os domínios da ambivalência. Como atravessar fronteiras de gênero ou permanecer nelas é sempre um movimento de resistência, vejamos, pois, como sua presença, em A confissão, está atrelada a seu direito de falar, gritar e se defender por meio de um discurso combativo, ainda que a Revolução dos Cravos não tenha contemplado seus direitos e suas lutas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio Ricardo Coelho Muniz, Universidade Federal da Bahia

Possui Doutorado em Letras (Literatura Portuguesa), pela Universidade de São Paulo (USP) e Pós-Doutorado em Letras (Literatura Portuguesa), pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). É Bolsista de Produtividade em Pesquisa CNPq. Professor Associado I de Literatura Portuguesa da Universidade Federal da Bahia.

Referências

ARÁN, Márcia; MURTA, Daniela. Do diagnóstico de transtorno de identidade de gênero às redescrições da experiência da transexualidade: uma reflexão sobre gênero, tecnologia e saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 15-41, 2009.

BARCELLOS, José Carlos. Homoerotismo e abjeção em O lugar sem limites de José Donoso. Literatura y Linguística, Santiago, n. 18, p. 135-144, 2007.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Tradução de Mauro Gama e Cláudia Martinelli Gama. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

BUTLER, Judith. Cuerpos que importan: sobre los límites materiales y discursivos del “sexo”. Tradução de Alcira Bixio. Buenos Aires: Paidós, 2002.

BENEDETTI, Marcos. Toda feita: o corpo e o gênero das travestis. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

BENTO, Berenice. Cuerpo, performance y género en la experiência transexual. Anuário de Hojas de Warmi, n. 13, p. 69-94, 2002.

______. O que é transexualidade. São Paulo: Brasiliense, 2008.

BÍBLIA SAGRADA. 45 ed. Coordenação geral de Ludovico Garmus. Tradução de Mateus Hoepers. Petrópolis: Vozes, 2001.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Tradução de Mariza Corrêa. Campinas: Papirus, 1996.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: (mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, número). Tradução de Vera da Costa e Silva et al. 26 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2012.

COHEN, Jeffrey Jerome. A cultura dos monstros: sete teses. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Pedagogia dos monstros – os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 23-60.

DELUMEAU, Jean. A confissão e o perdão: as dificuldades da confissão nos séculos XIII a XVIII. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

FOUCAULT, Michel. Nietzsche, a genealogia e a história. In: ______. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979. p. 15-37.

______. História da sexualidade I: A vontade de saber. 13 ed. Tradução de Maria Thereza da Costa Alburquerque e J. A. Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

______. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. 13 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

______. A ordem do discurso. 5 ed. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 1999.

______. Os anormais: curso no Collège de France (1974-1975). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

GOFFMAN, Erving. Estigma – Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Tradução de Mathias Lambert. Rio de Janeiro: Coletivo Sabotagem, [1963]1988.

HOUAISS, Antônio (Ed.). Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Instituto Antônio Houaiss. São Paulo: Objetiva, 2009.
LEITE JR., Jorge. Nossos corpos também mudam: a invenção das categorias “travesti” e “transexual” no discurso científico. São Paulo: Annablume; FAPESP, 2011.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista Petrópolis: Vozes, 1997.

______. Teoria queer: uma política pós-identitária para a educação. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, 2001.
______. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e Teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do bem e do mal: prelúdio a uma filosofia do futuro. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

______. Genealogia da moral. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

OLIVEIRA, João Manuel de. Orientação Sexual e Identidade de Género na psicologia: notas para uma psicologia lésbica, gay, bissexual, trans e queer. In: NOGUEIRA, Conceição; OLIVEIRA, João Manuel de (Org.). Estudo sobre a discriminação em função da orientação sexual e da identidade de género. Lisboa: Clássica, 2010. p. 19-44.
PRINS, Baukje; MEIJER, Irene Costera. Como os corpos se tornam matéria: entrevista com Judith Butler. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 155-167, jan./jun. 2002.

RICHARDS, Jeffrey. Sexo, Desvio e Danação: as minorias na Idade Média. Tradução de Marco Antonio Esteves da Rocha e Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.
SANTANA, Solange Santos. “Sou uma mulher com o corpo de homem. É este meu grande drama”: Gênero e travestismo em A confissão, de Bernardo Santareno. Fronteras – Revista de Ciencias Sociales y Humanidades, v. I, n. 1, p. 97-115, ago. 2014.

SANTARENO, Bernardo. A confissão. In: ______. Obras Completas. Organização, posfácio e notas introdutórias de Luiz Francisco Rebello. Lisboa: Ed. Caminho, 1987. v. 4. p. 163-190.

SENA, Jorge de. Caim. In: ______. Génesis. 2 ed. Lisboa: Edições 70, 1986.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.
TENÓRIO, Leonardo Farias Pessoa; PRADO, Marco Aurélio Máximo. As contradições da patologização das identidades trans e argumentos para a mudança de paradigma. Periódicus, Salvador, n. 5, v. 1, p. 41-55, maio/out. 2016.

VALENTIM, Jorge. Nomear o desejo: homoerotismo, gênero e resistência em A confissão, de Bernardo Santareno. In: RIOS, Otávio. (Org.). Arquipélago contínuo: literaturas plurais. Manaus: UEA Edições, 2011. p. 95-123.
Publicado
2018-12-31
Como Citar
Santana, S., & Muniz, M. R. (2018). A “A confissão", de Bernardo Santareno: da diferença como locus de luta política. Revista Desassossego, 10(20), 141-162. https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v10i20p141-162