A reescrita dos mitos bíblicos em José Saramago: a re-historização do sagrado a partir da ficção

  • Francisca Carolina Lima da Silva UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI
Palavras-chave: Releitura, Metaficção historiográfica, dialogismo, dessacralização

Resumo

Uma das temáticas predominantes na obra de José Saramago é a releitura e a intertextualidade com a história e com os mitos fundadores do ideário ocidental. Essa prática se constrói a partir de uma desconstrução dos textos com os quais as obras dialogam, por meio do uso da paródia, da metaficção historiográfica e da alegoria. Nesses textos, Saramago, ao mesmo tempo em que questiona crenças inabaláveis, apresenta-nos a desmistificação da História oficial, oportunizando, assim, o emanar das histórias silenciadas, a partir daquilo que poderia ter sido. O presente artigo pretende analisar o processo de releitura que o autor realiza na obra O Evangelho segundo Jesus Cristo (2005), ao utilizar como fonte as ruínas históricas deixadas pela leitura dogmática do Novo Testamento do Judaísmo Cristão. Para tanto, faremos uso da teoria moderna da alegoria desenvolvida por Walter Benjamin, com amparo nos preceitos da Literatura Comparada, a partir do dialogismo bakhtiniano que o texto de Saramago constrói, não só com as versões canônicas dos textos bíblicos, mas também com os escritos apócrifos, também utilizando dados da história e da cultura moderna.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALTER, Robert. A arte da narrativa bíblica. Trad. Vera Pereira. – São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
ARIAS, Juan. Jesus: esse grande desconhecido. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.
AUERBACH, Erich. Mimesis: A representação da realidade na literatura ocidental. 4ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2002.
BARROS, Diana Luz Pessoa. Dialogismo, Polifonia e Enunciação. In: BARROS, Diana Luz Pessoa de; FIORIN, José Luiz. (orgs.). Dialogismo, Polifonia, Intertextualidade: Em torno de Bakhtin. – 2. ed. – São Paulo: Edusp, 2003.
BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Ed. Forense – Universitária, 1981.
BENJAMIN, Walter. Origem do drama trágico alemão. Lisboa: Assirio & Alvim, 2004.
BENT, Charles. Linha de Risco: O Movimento da Morte de Deus. Rio de Janeiro, RJ: Moraes Editores, 1968.
BLOCH, Marc Leopold Benjamin. Apologia da história, ou, O oficio do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2001.
BURKE, Peter (org). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Editora da Unesp, 1992.
BRAIT, Beth. As vozes bakhtinianas e o diálogo inconcluso. In: BARROS, Diana Luz Pessoa de; FIORIN, José Luiz. (orgs.). Dialogismo, Polifonia, Intertextualidade: Em torno de Bakhtin – 2. ed. – São Paulo: Edusp, 2003.
CRESPI, Franco. A Experiência religiosa na pós-modernidade. Bauru, SP: EDUSC, 1999.
CROSSON, Rildo. Romance Histórico: as ficções da história. Revista Itinerários, n. 23, Araraguara, p. 29-37, 2005. Disponível em < file:///C:/Users/Carol/Downloads/2804-6825-1-PB%20(1).pdf> . Acessado em 28/06/2015.
DANTAS NETO, Francisco. Sobre o ofício do historiador. Site História e-história. Disponível em < http://historiaehistoria.com.br/materia.cfm?tb=alunos&id=529>. Acessado em 21/07/2015.
FERRAZ, Salma. As faces de Deus na obra de um ateu: José Saramago. – 2. ed. ver. E ampl. - Blumenau: Edifurb, 2012.
GOMES, Álvaro Cardoso. A voz itinerante: Ensaio sobre o romance português contemporâneo. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1993.
HANSEN, João Adolfo. Alegoria: construção e interpretação da metáfora. São Paulo: Editora Unicamp, 2006.
HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modemismo: história, teoria, ficção. Tradução Ricardo Cmz - Rio de Janeiro: Imago Ed., 1991.
LOPES, Edward. O discurso literário e dialogismo em Bakhtin. In: BARROS, Diana Luz Pessoa de; FIORIN, José Luiz. (orgs.). Dialogismo, Polifonia, Intertextualidade: Em torno de Bakhtin – 2. ed. – São Paulo: Edusp, 2003.
KOTHE, Flávio R. A Alegoria. São Paulo: Ática, 1986.
MAGALHÃES, Antonio. Deus no espelho das palavras: Teologia e Literatura em diálogo. São Paulo: Paulinas, 2000.
NEDEL, Paulo Augusto. O evangelho segundo o narrador: o papel do narrador em O evangelho segundo Jesus Cristo de José Saramago. Dissertação (Mestrado em Literaturas Brasileira, Portuguesa e Luso-Africana). Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.
NITRINI, Sandra. Literatura Comparada: história teoria e crítica.2 ed. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2000.
OLIVEIRA NETO, Pedro Fernandes. Retratos para a construção do feminino na prosa de José Saramago. Curitiba: Appris, 2012.
PEREIRA, João Batista. Alegoria Benjaminiana. Revista FSA, Teresina, vol. 10, n. 3, art. 9, p. 137-158, Jul/Set. 2013.
PESAVENTO, Sandra Jatahy. O mundo como texto: leituras da História e da Literatura. Revista História da Educação, n. 14, Pelotas, p. 31-45, set. 2003.
PIÑERO, Antonio. O outro Jesus segundo os evangelhos apócrifos. São Paulo: Mercuryo, 2002.
REIS, Carlos. Diálogos com José Saramago. Editorial Caminho, SA, Lisboa ― 1998.
ROUANET, Sérgio Paulo. Édipo e o anjo: Itinerários freudianos em Walter Benjamin. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1981.
SARAMAGO, José. O Evangelho segundo Jesus Cristo. São Paulo: Companhia de Bolso, 2005.
SYLVESTRE, Fernanda Aquino. Diálogos entre a ficção e a história: o mito bíblico revisitado em Caim, de José Saramago. Revista Alere. Ano 04, Vol. 04. N. o 04, 2011.
Publicado
2018-12-31
Como Citar
Lima da Silva, F. (2018). A reescrita dos mitos bíblicos em José Saramago: a re-historização do sagrado a partir da ficção. Revista Desassossego, 10(20), 71-96. https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v10i20p71-96