Sobre a Apologie de l’ennui do Barão de Holbach

  • Marcelo de Sant'Anna Alves Primo Universidade Federal de Sergipe
Palavras-chave: Holbach, Filosofia, Tédio, Natureza humana

Resumo

Em um pequeno escrito intitulado Apologie de l’ennui et des ennuyeux, Holbach, sob uma apologia, repudia a figura do ennuyeux. O retrato dos costumes traçado pelo Barão é acompanhado de uma crítica filosófica que remonta às causas originais tanto da propagação como da universalidade do tédio. Tal reflexão o Barão já empreendera em La Moral Universelle, o que permite fazer uma leitura da Apologie como uma crítica invertida, por meio de uma condenação contundente do tédio, este entendido como uma permanente insatisfação da natureza humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo de Sant'Anna Alves Primo, Universidade Federal de Sergipe

Doutor em Filosofia | Professor titular do Colégio de Aplicação
Universidade Federal de Sergipe [CODAP–UFS]

Referências

Baudelaire, C. (2016). O spleen de Paris: pequenos poemas em prosa. Tradução de A. Zir. Porto Alegre: l&pm.

Deprun, J. (1979). La philosophie de l’inquiétude en France au xviiie siècle. Paris: Vrin.

Granger, C. (2001) et al. (Eds.). L’ennui: histoire d’un état d’âme. Paris: Publications de la Sorbonne.

Holbach, Baron de (1776). La morale universelle ou les devoirs de l’homme fondés sur sa nature. Tome 1, Amsterdam: Marc-Michel Rey.

Holbach, Baron de (1975). “Apologie de l’ennui”. In: Dix-huitième Siècle. Paris: puf, n. 7, pp. 27-34.

Holbach, Baron de (2014). A moral universal ou os deveres do homem fundamentados na sua natureza. Tradução de R. Schöpke e M. Baladi. São Paulo: Martins Fontes.

Lilti, A. (2005). Le monde des salons: sociabilité et mondanité à Paris au xviiie siècle. Paris: Fayard.

Monzani, L. R. (2011). Desejo e prazer na idade moderna. Curitiba: Champagnat.

Pascal, B. (2001). Pensamentos. Tradução de M. Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes.

Rimbaud, A. (2006). Uma temporada no inferno. Tradução de P. H. Filho. Porto Alegre: l&pm.

Sandrier, A. (2004). Le style philosophique du Baron d’Holbach: conditions et contraintes du prosélytisme athée en France dans la seconde moitié du xviiie siècle. Paris: Honoré Champion.

Svendsen, L. (2006). Filosofia do tédio. Tradução de M. X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar.

Publicado
2019-12-29
Como Citar
Primo, M. (2019). Sobre a Apologie de l’ennui do Barão de Holbach. Discurso, 49(2), 155–163. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2019.141633
Seção
Artigos