Considerações sobre o princípio de proporcionalidade entre a causa e o efeito nos Diálogos de Hume

  • Marília Côrtes de Ferraz Universidade Estadual do Norte do Paraná [UENP]
Palavras-chave: Argumento do desígnio, Analogia, Proporcionalidade, Causa e efeito

Resumo

Trata-se, neste artigo, de analisar o princípio fundamental ─ like effects prove like causes ─ sobre o qual Cleanthes, nos Diálogos sobre a Religião Natural de Hume, apoia sua defesa do argumento do desígnio, bem como examinar a estratégia argumentativa de Philo para enfraquecer paulatinamente a força do argumento defendido por Cleanthes. 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marília Côrtes de Ferraz, Universidade Estadual do Norte do Paraná [UENP]

Professora adunta
Universidade Estadual do Norte do Paraná [UENP]

Referências

Barra, E. (2011). “Quando criacionismo e evolucionismo tornam-se indistintos: lições a partir da crítica de David Hume às explicações da natureza em sua totalidade”. In: Contexto & Educação, 26 (86), pp. 4-22.

Beaudoin, J. (1999). “On Some Criticisms of Hume’s Principle of Proportioning Cause to Effect”. In: Filo, vol. 2, n. 2, pp. 27-41.

Dawkins, R. (2007). Deus, um delírio. Tradução de Fernanda Ravagnani. São Paulo: Cia das Letras.

Dennett, D. C. (1998). A perigosa ideia de Darwin: a evolução e os significados da vida. Tradução de Talita M. Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco.

Ferraz, M. C. de (2012). Existência de Deus, Natureza Divina e a Experiência do Mal nos Diálogos de Hume. 194 f. (Tese de doutorado em filosofia defendida na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo – usp).

Flew, A. (1961). Hume’s Philosophy of Belief: A Study of his First Inquiry. London: Routledge & Kegan Paul.

Groulez, M. (2005). Le scepticisme de Hume. Paris: puf.

Hume, D. (1988). Dialogues Concerning Natural Religion. New York: Macmillan Publishing Company.

Hume, D. (1992). Diálogos sobre a Religião Natural. Tradução de José Oscar de Almeida Marques. São Paulo: Martins Fontes.

Hume, D. (1993). Dialogues Concerning Natural Religion and The Natural History of Religion. Oxford: University Press.

Hume, D. (1999a). An Enquiry concerning Human Understanding. Oxford: University Press.

Hume, D. (1999b). Investigação sobre o Entendimento Humano. Tradução de José Oscar de Almeida Marques. São Paulo: Edunesp.

Hume, D. (2001). Tratado da Natureza Humana. Tradução de Déborah Danowski. São Paulo: Edunesp.

Hume, D. (2002). A Treatise of Human Nature. Edited by D. F. Norton & M. J. Norton. Oxford: University Press.

Kant, I. (1994). Crítica da Razão Pura. Tradução de M. P. dos Santos e A. F. Morujão. Lisboa: Calouste Gulbenkian.

Lebrun, G. (1993). Kant e o Fim da Metafísica. Tradução de Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes.

Marques, J. O. de A. (2005). “A crítica de Hume ao argumento do desígnio”. In: Dois pontos, 1, vol. 2, pp. 129-147.

Merrill, K. R. (2008). Historical Dictionary of Hume’s Philosophy. Historical Dictionaries of Religions, Philosophies, and Movements, n. 86. Lanam/Toronto/Plymouth: The Scarecrow Press, Inc.

Monteiro, J. P. (2009). Hume e a Epistemologia. São Paulo: Edunesp/Discurso Editorial.

Pike, N. (1970). “Hume on the argument from design”. In: Pike, N. (ed.), Dialogues Concerning Natural Religion. New York: BobbsMerrill Company, pp. 127-238.

Silva, M. R. da (2006). “Hume e o argumento do desígnio”. In: Kriterion, vol. 47 (113), pp. 115-130.

Yandell, K. E. (1990). Hume’s “Inexplicable Mystery”. Philadelphia: Temple University Press.

Publicado
2019-12-29
Como Citar
Ferraz, M. (2019). Considerações sobre o princípio de proporcionalidade entre a causa e o efeito nos Diálogos de Hume. Discurso, 49(2), 65–78. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2019.142294
Seção
Artigos