Bergson, empirismo e espírito de sistema: entre subjetividade e ciência

  • Débora Morato Pinto Universidade Federal de São Carlos
Palavras-chave: Bergson, Empirismo, Ciência, Vida, Inteligência, Evolucionismo

Resumo

Esse artigo defende que as ressonâncias da filosofia de Bergson no século xx francês ultrapassam a divisão estabelecida por Foucault entre as filosofias do cogito e as filosofias de sistema (ou do conceito). O impacto de sua obra tem como razão principal a capacidade de articular o retorno à experiência (em sentido ampliado) e a incorporação do trabalho de sistematização de dados realizado pelas ciências do século XIX. Tal articulação delimita o teor empirista da filosofia de Bergson, que pode ser analisado em comparação com os empiristas do XVIII. Examinamos nesse contexto como o trabalho crítico dirigido às ideias abstratas que conduzem a filosofia a perder de vista o concreto é o fator de convergência entre Bergson e Merleau-Ponty. Por outro lado, mostramos que a análise filosófica sobre a biologia evolutiva relaciona o bergsonismo ao projeto epistemológico de Canguilhem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Al-Saji, A. (2010). “Life as vision: Bergson and the future of seeing differently.” In: Michael R. Kelly (ed.), Bergson and Phenomenology. Palgrave-Macmillan.
Barbaras, R. (1997). “Le tournant de l’expérience: Merleau-Ponty et Bergson”. In: Philosophie, Paris: Les éditions de minuit, n. 54, juin.
Bergson, H. (2005). A Evolução Criadora. Tradução de Bento Prado Neto. São Paulo: Martins Fontes.
Bergson, H. (2008). Les Deux Sources de la Morale et de la Religion. Édition Critique. Paris: PUF.
Bergson, H. (2009). La Pensée et le Mouvant. Édition Critique, Paris: PUF.
Bergson, H. (2011). Introduction à la métaphysique. Édition Critique. Paris: PUF.
Canguilhem, G. (2009). La connaissance de la vie. Paris: Vrin.
Deleuze, G. (2006). A ilha deserta e outros textos. São Paulo: Iluminuras.
Deleuze, G. (2007). Le bergsonisme. Paris: PUF.
Foucault, M. (1985). “La vie: l’expérience et la science”. In: Revue de Métaphysique et Morale, 90, n. 1.
Kant, I. (2015). Crítica da Razão Pura. Tradução e notas de Fernando Costa Mattos. Petrópolis, RJ: Vozes: Bragança Paulista, sp: Editora Universitária São Francisco.
Lapoujade, D. (2010). Puissances du temps: versions de Bergson. Paris: Les Éditions de Minuit. Merleau-Ponty, M. (1984). O Visível e o Invisível. Trad. José Artur Gianotti e Armando Mora d’Oliveira. São Paulo: Perspectiva.
Lebrun, G. (1993). “De la supériorité du vivant humain dans L’Évolution Créatrice”. In: Georges Canguilhem. Philosophe, historien des sciences. Paris: Albin Michel, pp. 208-222.
Pimenta, P. P. (2018). A trama da natureza. Organismo e finalidade na época da Ilustração. São Paulo: Editora Unesp.
Pimenta, P. P. (2018b). “Seleção natural e analogia técnica em Hume e em Darwin”. In: Doispontos. Curitiba, São Carlos, v. 15, n. 1, abril de 2018, pp. 161-170.
Pinto, D. M. (2017). “Análise objetiva e apreensão subjetiva na metafísica bergsoniana. A intuição da vida e o crivo dos fatos”. In: Trans/form/ação (Unesp: Marília, impresso), v. 40, pp. 9-46.
Prado Jr. B. (1989). Presença e Campo Transcendental. Consciência e negatividade na filosofia de Bergson. São Paulo: edusp.
Riquier, C. (2011). “Descartes et les trois voies de la philosophie française”. In Philosophie. Paris: Éditions de Minuit, 2011/2, n. 109, pp. 21-42.
Riquier, C. (2017). “A superação intuitiva da metafísica. O kantismo de Bergson”. In: Trans/ Form/Ação, Marília, v. 40, n. 2 (Abr./Jun.), pp. 217-242.
Worms, F. (2000). Le vocabulaire de Bergson. Paris: Ellipses.
Publicado
2019-06-24
Como Citar
Pinto, D. (2019). Bergson, empirismo e espírito de sistema: entre subjetividade e ciência. Discurso, 49(1), 31-53. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2019.159273
Seção
Artigos