A psicanálise nos primeiros tempos da Rússia Soviética

  • Georgina Faneco Maniakas Universidade Federal de São Carlos. Departamento de Psicologia
Palavras-chave: Psicanálise, Rússia Soviética, Educação Infantil, Casa das Crianças (Detski Dom), Vera Schmidt

Resumo

O objetivo deste artigo é fazer uma breve exposição sobre a trajetória da psicanálise nos primeiros anos da Rússia soviética. Entre as práticas que tornaram a psicanálise acessível à classe trabalhadora, concentraremos nossa apresentação na experiência pioneira da “Casa das Crianças” (Detski Dom) de Moscou, primeira escola de educação infantil embasada em princípios psicanalíticos. Documentada por sua fundadora, Vera Schmidt, a escola funcionou entre 1921 e 1925, abrigando 30 crianças com idade entre 1 e 5 anos. Assim como a escola, nos anos que se seguiram à morte de Lênin e ao exílio de Trotsky as demais instituições psicanalíticas sucumbiram à censura ideológica. Em 1936, a repressão stalinista baniu oficialmente a psicanálise da União Soviética, interrompendo um processo que modificou a prática da psicanálise e ampliou o alcance cultural e social das ideias de Freud. Entretanto, o interesse pelo inconsciente se manteve, e no final dos anos 80 a psicanálise foi retomada na Rússia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Accerboni, Anna Maria (2005). “Rosenthal, Tatiana”. In: Mijolla, A. de (Org.). International Dictionary of Psychoanalysis. Thomson Gale: Detroit, p. 1515.
Alavidze, Tatiana; Arutyunyan, Marina (2016). “Meet the Moscow Psychoanalytic Society” [online]. 24 de dezembro de 2016. Disponível na internet via: http://www.psychoanalysis-mps.ru [Consultado em 03.10.2017]
Brenner, Frank (1999). “Intrepid thought: psychoanalysis in the Soviet Union”. [online]. In: World Socialist Web Site. Disponível na internet via: https://www.wsws.org/en/articles/1999/06/freu-j11.html [Consultado em em 03.10.2017]
Bittar, Marisa; Ferreira Jr., Amarílio (2011). “A Educação na Rússia Soviética”. Revista histedbr, Campinas, número especial, pp. 377-396.
Bittar, Marisa; Ferreira Jr., Amarílio (2015). “Ativismo pedagógico e princípios da escola do trabalho nos primeiros tempos da educação soviética”. Revista Brasileira de Educação, v. 20, n. 61.
comitê central dos jardins de infância socialistas de berlim; Reich, Wilhelm; Schmidt, Vera (1975). “Elementos para uma pedagogia anti-autoritária”. Porto, Portugal: Publicações Escorpião.
Etkind, Alexander M. (1995). “Russia by Alexander M. Etkind: The Reception of Psychoanalysis in Russia until the Perestroika”. Disponível na internet via: https://web.archive.org/web/20070305123051/http://psychoanalyse.narod.ru/english/ruetkind.htm [Consultado em em 10.03.2018]
Freud, Sigmund (1918-1919). “Caminhos da Terapia Psicanalítica”. Buenos Aires: Amorrortu Editores, vol. 17, pp. 151-163, 1992.
Kadyrov, Igor M. (2002). “The Future of Psychoanalysis in Europe. East-West Integration”. Disponível na internet via: http://www.psihoanalitiki-ipa.si/files/Kadyrov-Future.pdf [Consultado em em 10.03.2018]
Lenin, V. I. (2001 [1920]). “As tarefas das Uniões da Juventude” (Discurso pronunciado no iii Congresso de toda a Rússia da União Comunista da Juventude da Rússia em 2 outubro de 1920). Revista histedbr, Campinas, número especial, pp. 367-376.
Mason, Irina (2005). “Schmidt, Vera Federovna (1889-1937)”. In: Mijolla, A. de (Org.). International Dictionary of Psychoanalysis. Thomson Gale: Detroit, pp. 1543-1544.
Mijolla, Alain de (2005). (Org). “International Dictionary of Psychoanalysis”. Thomson Gale: Detroit.
nova constituição soviética - 1936 [online]. Disponível na internet em 04.04.2011 via: https://www.marxists.org/portugues/stalin/biografia/ludwig/constituicao.htm.
Nölleke, Brigitte (2017). “Psychoanalytikerinnen. Biografisches Lexikon” [online]. Disponível na internet via: https://www.psychoanalytikerinnen.de/russland_biografien.html [Consultado em 06.03.2018]
Reich, Wilhelm (1975). “Os Jardins de Infância na Rússia Soviética (1929)”. In: Elementos para uma pedagogia anti-autoritária, pp. 39-52. Porto, Portugal: Publicações Escorpião.
Roudinesco, Elisabeth; Plon, Michel (1998). Dicionário de psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar Editores.
Schmidt, Vera (1924). “Psychoanalytische Erziehung in Sowjetrussland. Bericht über das Kinderheim-Laboratorium in Moskau”. Internationaler Psychoanalytischer Verlag: Leipzig/Wien/Zürich.
Schmidt, Vera (1975). “Educação Psicanalítica na Rússia Soviética”. In: Elementos para uma pedagogia anti-autoritária. Porto, Portugal: Publicações Escorpião, pp. 15-38.
Stanley, Alessandra (1996). “Freud in Russia: Return of Repressed”. In: New York Times, 11 de dezembro de 1996. [online]. Disponível na internet desde 2017 via: http://www.nytimes.com/1996/12/11/world/freud-in-russia-return-of-the-repressed.html.
Trotsky, Leon (2005). “Revolutionary and Socialist Art”. In: Literature and Revolution. 1925. Chicago, Illinois: Haymarket Books, 2005.
unesco – International Bureau of Education (1994). “Prospects: the quarterly review of comparative education”. Paris: unesco – International Bureau of Education, vol. 24, n. 3/4, 1994, pp. 687-701.
Van der Veer, René (2011). “Tatyana on the Coach: the Vicissitudes of Psychoanalysis in Russia”. In: Salvatore, Sergio; Zittoun, Tania (Org.). Cultural Psychology and Psychoanalysis: Pathways to Synthesis, pp. 49-65. IAP: Charlotte, EUA.
Vasilyeva, Nina (2000). “Psychoanalysis in Russia: The Past, the Present, and the Future”. American Imago, v. 57, n. 1, pp. 5-24.
Vygotsky, Lev; Luria, Alexander (1925). “Introduction to the Russian translation of Freud’s Beyond the pleasure principle”. Lev Vygotsky, Alexander Luria. Disponível na internet via: https://www.marxists.org/archive/vygotsky/works/reader/p010.pdf [Consultado em 06.03.2018]
Publicado
2019-06-24
Como Citar
Maniakas, G. (2019). A psicanálise nos primeiros tempos da Rússia Soviética. Discurso, 49(1), 127-139. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2019.159306
Seção
Artigos