Crítica da autonomia: liberdade como heteronomia sem servidão

Palavras-chave: Liberdade, Autonomia, Heteronomia, Propriedade de si, Auto-pertencimento

Resumo

O artigo visa discutir formas de pensar o conceito de liberdade para além de sua submissão às figuras da autonomia. O objetivo é avaliar a necessidade e pertinência de pensarmos, em nosso contexto sócio-histórico, a liberdade como heteronomia sem servidão. Conceito este que nasce da crítica à elevação do paradigma do auto-pertencimento a condição de via única para a definição da liberdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vladimir Safatle, Universidade de São Paulo [USP]

Professor Titular do Departamento de Filosofia
Universidade de São Paulo [usp]

Referências

Agamben, G. (2014). Altíssima pobreza: regras monásticas e formas de vida. Tradução de S. Assman. São Paulo: Boitempo.

Adorno, T. (1972). Soziologische Schriften. Frankfurt: Suhrkamp.

Aquino, T. (1998). Suma teológica. Petrópolis: Vozes.

Arendt, H. (1994). Sobre a revolução. São Paulo: Companhia das Letras.

Aristóteles. (2008). Ethica Nicomachea I 13 – III 8. São Paulo: Odysseus.

Benveniste, E. (1970a). Vocabulaire de termes indo-européens, v. I. Paris: Gallimard.

Benveniste, E. (1970b). Vocabulaire de termes indo-européens, v. II. Paris: Gallimard.

Brown, W. (2017). Undoing the demos: neoliberalism’s stealth revolution. Zone Books.

Butler, J. & Athanasiou, A. (2013). Dispossession: the performative in the political. Cambridge: Polity Press.

Calvino, J. (2009). A instituição da religião cristã. Tradução de O. J. de Moraes Jr. e E. C. Sartorelli. São Paulo: Unesp.

Cohen, G. (1995). Self-ownership, freedom and equality. Cambridge University Press.

Colliot-Thélène, C. (2011). La démocratie sans demos. Paris: puf.

Esposito, R. (2013). Due: la macchina della teologia politica e il posto del pensiero. Roma: Einaudi.

Esposito, R. (2002). Imunitas: protezione e negazione della vita. Turim: Einaudi.

Esposito, R. (2014). Le persone e le cose. Roma: Einaudi.

Derrida, J. (2003). Voyous: deux essais sur la raison, Paris: Galillée.

Hegel, G.W.F. (1992). Fenomenologia do Espírito. Tradução de P. G. de Meneses. Petrópolis: Vozes.

Hegel, G.W.F. (1970). Grundlinien der Philosophie des Rechts. Frankfurt: Suhrkamp.

Hegel, G.W.F. (1986). Vorlesungen über die Philosophie der Geschichte. Frankfurt: Suhrkamp.

Kant, I. (2016). Crítica da razão prática. Tradução de M. Hulshof. Petrópolis: Vozes.

Lacan, J. (2000). Le séminaire VIII: Le transfert. Paris: Seuil.

Laclau, E. (2015). A razão populista. São Paulo: Três Estrelas.

Locke, J. (2003). Two Treatises of Government. Cambridge: Cambridge University Press.

Macpherson, C. R. (1993). The theory of possessive individualism. Oxford: Oxford University Press.

Marx, K. (2000). “Die britische Herrschaft in Indien”, In: Marx Engels Gesammtausgabe, Bande i/12. Berlin: De Gruyter.

Nozick, R. (1974). Anarchy, state and utopia, Nova York: Basic Books.

Overton, R. (1998). “An arrow against all tyrants”. 12 out. 1646. In: The English Levellers (Cambridge Texts in the History of Political Thought), Cambridge: Cambridge University Press, pp. 54-72.

Prado Jr., B. (2017). Ipseitas. Belo Horizonte: Autêntica.

Rousseau, J-J. (2006). Du contrat social. Paris: Pleiade.

Safatle, V. (2016). “Para além da sexualidade: Foucault e a liberdade como autopertencimento”, In: Novaes, A. Mutações: entre dois mundos. São Paulo: Edições Sesc, pp. 345-369.

Schneewind, J. (2001). A invenção da autonomia. Tradução de M. F. Lopes. São Leopoldo: Editora Unisinos.

Viveiros de Castro, E. (2017). Metafísicas canibais. São Paulo: Cosac e Naify.

Zaharijevic, A. Against individual: who qualifies as “one”? [no prelo].

Publicado
2019-12-29
Como Citar
Safatle, V. (2019). Crítica da autonomia: liberdade como heteronomia sem servidão. Discurso, 49(2), 21–41. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2019.165473
Seção
Artigos