O exemplo de Sócrates

Palavras-chave: Sócrates, Exame, Vida filosófica, Morte

Resumo

Um tópico de interesse permanente em relação a Sócrates é a determinação dos melhores termos para o entendimento da articulação entre sua vida e sua prática filosófica. O presente artigo busca ensaiar uma discussão introdutória desta questão. Nesse sentido, parte-se de uma restituição, em largos traços, do testemunho das três principais fontes diretas, avança-se daí até algumas formulações atuais centradas no tema do exame para, por último, considerar a matéria à luz da morte de Sócrates e dos desdobramentos que seu exemplo quanto a isso ensejou, já no âmbito das escolas helenísticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Olímpio Pimenta, Universidade Federal de Ouro Preto [UFOP]

Professor titular do Departamento de Filosofia
Universidade Federal de Ouro Preto [UFOP]

Referências

Adorno, F. (1990). Sócrates. Tradução de A. J. P. Ribeiro. Lisboa: Edições 70.

Almeida Júnior, G. (1985). “Refutação da refutação: revivendo o élenkhos socrático segundo Gregory Vlastos”. In: Revista Classica, vol. 28 (2), pp. 127-148.

Aristófanes (1967). As nuvens. In: Aristófanes, Sócrates. Tradução de G. M. Starzynski. São Paulo: difel, pp. 46-58.

Assunção, T. R. (2018). “Três figuras do mestre grego antigo”. In: Boletim Enxame, n. 3. Disponível em http://jornadaebpmg.blogspot.com/2018/06/enxame-3-5-ditos-e-escritos.html.

Brandão, J. L. (2002). “Nós e os gregos”. In: Marques, H. (Ed.), Os gregos. Coleção Convite ao Pensar, Belo Horizonte: Autêntica/puc Minas, pp. 29-44.

Brandão, J. (1991). Dicionário mítico-etimológico da mitologia grega. Vol. 1, Petrópolis: Vozes.

Descartes, R. (2007). Discurso do método. Tradução de M. E. de A. Prado Galvão. São Paulo: Martins Fontes.

Dixsaut, M. (2012). “Refutação e dialética”. In: Marques, M. P. (Ed.), Refutação. Tradução de Janaína S. Mafra. São Paulo: Paulus, pp. 55-86.

Dorion, L.-A. (2011). “The rise and fall of the socratic problem”. In: Morrison, D. R. (Ed.), The Cambridge Companion to Socrates. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 1-23.

Dorion, L.-A. (2006). Compreender Sócrates. Tradução de L. M. Endlich Orth. Petrópolis: Vozes.

Erler, M. (1999). “Epicurean ethics”. In: Algra, K. et al. (Eds.), The Cambridge History of Hellenistic Philosophy. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 642-674.

Gottlieb, A. (1999). Sócrates: o mártir da filosofia. Tradução de I. Fernandes Franco. São Paulo: Edunesp.

Goulet-Cazé, M. O. (2007). “Apêndice A: Um catálogo abrangente de filósofos cínicos conhecidos”. In: Goulet-Cazé, M. O. & Branham, R. B. (Eds.),

Os cínicos: o movimento cínico na Antiguidade e o seu legado. Tradução de C. C. Bartalotti. São Paulo: Loyola, pp. 419-444.

Grimaldi, N. (2006). Sócrates, o feiticeiro. Tradução de N. N. Campanário. São Paulo: Loyola.

Hadot, P. (2014). Exercícios espirituais e filosofia antiga. Tradução de F. F. Loque & L. Oliveira. São Paulo: É Realizações Editora.

Inwood, B. & Donini, P. (1999). “Stoic ethics”. In: Algra, K. et al. (Eds.), The Cambridge History of Hellenistic Philosophy. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 675-738.

Laclos, C. (1983). As relações perigosas. Tradução de S. Milliet. São Paulo: Abril Cultural.

Leys, S. (1993). A morte de Napoleão. Tradução de R. F. D’Aguiar. São Paulo: Schwarcz.

Long, A. A. (1999). “The socratic legacy”. In: Algra, K. et al. (Eds.), The Cambridge History of Hellenistic Philosophy. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 615-641.

Long, A. A. (2007). “A tradição socrática: Diógenes, Crates e a ética helenística”. In: Os cínicos: o movimento cínico na Antiguidade e o seu legado. Tradução de C. Camargo Bartalotti. São Paulo: Loyola, pp. 39-58.

Luciano de Samósata (2007). Diálogos dos mortos. Tradução de H. G. Murachco. São Paulo: Edusp: Palas Atena.

Luciano de Samósata (2015). “Vida de Demônax”. In: Biografia literária. Tradução de O. F. Junior. I. Belo Horizonte: Editora ufmg.

Mafra, J. S. & Marques, M. P. (2012) (Eds.). Refutação. São Paulo: Paulus.

Martes, E. (2013). A questão socrática: uma introdução. Tradução de V. Sampaio. São Paulo: Odysseus.

Matthews, G. B. (2009). “The Epistemology and Metaphysics of Socrates”. In: The Oxford Handbook of Plato. Oxford: Oxford University Press.

Mossé, C. (1990). O processo de Sócrates. Tradução de A. Marques. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Most, G. W. (1993). “A Cock for Asclepius”. In: The Classical Quarterly, vol. 43 (1), pp. 96-111.

Nietzsche, F. (1987). Genealogia da moral: um escrito polêmico. Tradução de P. C. de Souza. São Paulo: Brasiliense.

Nietzsche, F. (2009). A gaia ciência. Tradução de P. C. de Souza. São Paulo: Companhia das Letras.

Piettre, B. (1996). A República: Livro vii. Tradução de E. M. Marcelina. Brasília: UnB.

Platão (1973). Phaedrus & The Seventh and Eighth Letters. Tradução de W. Hamilton. London: Penguin Books.

Platão (1987). Fédon, In: Platão. Platão. Tradução de J. Paleikat e J. C. Costa. São Paulo: Nova Cultural (Coleção Os Pensadores), pp. 55-261.

Platão (1996). A República. Tradução de M. H. da Rocha Pereira. Lisboa: Calouste Gulbenkian.

Platão (1997). Apologia de Sócrates; Críton. Tradução de M. de Oliveira Pulquério. Brasília: UnB.

Platão (1999). O banquete. Tradução de J. Cavalcanti de Souza. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Platão (2011). Fédon. Tradução de C. A. Nunes. Belém: Edufpa.

Platão (2015). Laques/Eutífron. Tradução de C. A. Nunes. 3ª ed. Belém: Edufpa.

Reale, G. & Antiseri, D. (1990). História da filosofia. Vol. 1. São Paulo: Paulus.

Rossetti, L. (2015). O diálogo socrático. Tradução de J. Mafra. São Paulo: Paulus.

Rowe, C. (2011). “Self-examination”. In: The Cambridge Companion to Socrates. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 201-214.

Taylor, C. W. (2010). Sócrates. Tradução de M. Hack. Porto Alegre: L&PM.

Trabattoni, F. (2003). Oralidade e escrita em Platão. Tradução de F. R. Puente e R. Bolzani. São Paulo: Discurso Editorial.

Villa, D. (2001). Socratic citizenship. Princeton: Princeton University Press.

Vlastos, G. (2012). “O elénkhos socrático: método é tudo”. In: Mafra, J. S. & Marques, M. P. (Eds.), Refutação. São Paulo: Paulus.

Wilson, E. (2013). A morte de Sócrates. Tradução de F. Siqueira. Rio de Janeiro: Record.

Wolff, F. (1982). Sócrates: o sorriso da razão. Tradução de F. Leopoldo e Silva. São Paulo: Brasiliense.

Xenofonte (1987). “Ditos e feitos memoráveis de Sócrates”. In: Sócrates. Tradução de L. R. de Andrade. São Paulo: Nova Cultural, pp. 59-184.

Xenofonte (2011). Banquete; Apologia de Sócrates. Tradução de A. E. Pinheiro. São Paulo: Annablume.

Publicado
2019-12-29
Como Citar
Pimenta, O. (2019). O exemplo de Sócrates. Discurso, 49(2), 79–106. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2019.165475
Seção
Artigos