A morte do poeta: Benjamin leitor de Hölderlin

Palavras-chave: Morte do poeta, Bela aparência, Poetificado, Sublime

Resumo

O artigo, num primeiro momento, busca contextualizar as condições de surgimento do ensaio Dois poemas de Friedrich Hölderlin, de Benjamin, recorrendo a alguns fatos históricos, como a morte de seu amigo Fritz Heinle e Nobert von Hellingrath. Ligadas ao estopim da Primeira Guerra Mundial, tais mortes representam para Benjamin a morte de toda uma geração de jovens, na qual ele havia depositado toda a esperança de renascimento da cultura alemã. A leitura que faz de Hölderlin, nesse sentido, tem um fim político, ao procurar combater uma interpretação esteticizante de seus poemas, influenciada pelo círculo de Stefan George. Num segundo momento, o artigo aprofunda a leitura do ensaio de Benjamin sobre Hölderlin, buscando definir o conceito de “poetificado” como conceito central de sua crítica de arte, evidenciando em que medida esse conceito lhe serve como contraposição às leituras provenientes do círculo de George, entre elas, a do próprio Hellingrath.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ulisses Razzante Vaccari, Universidade Federal de Santa Catarina [UFSC]

Professor Adjunto do Departamento de Filosofia
Universidade Federal de Santa Catarina [UFSC]

Referências

Benjamin, W. (1993). O Conceito de Crítica de Arte no Romantismo Alemão. Tradução de Márcio Seligmann-Silva. São Paulo: Iluminuras.

Benjamin, W. (2008). Obras Escolhidas. Magia e técnica, arte e política (vol. 1). Tradução de Sergio P. Rouanet. São Paulo: Editora Brasiliense.

Benjamin, W. (2009). As afinidades eletivas de Goethe. In: Benjamin, W., Ensaios reunidos: escritos sobre Goethe. Tradução de Mônica K. Bornebusch, Irene Aron e Sidney Camargo. São Paulo: Editora 34.

Benjamin, W. (2013). Dois poemas de Friedrich Hölderlin. In: Escritos sobre mito e linguagem. Tradução de Susana K. Lages e Ernani Chaves. São Paulo: Editora 34.

Benjamin, W. (2015). Ausgewählte Werke. Darmstadt: Wissenschafltiche Buchgesellschaft.

Benjamin, W. (2018). A tarefa do tradutor. In: Benjamin, W., Linguagem, Tradução, Literatura [Filosofia, teoria e crítica]. Tradução de João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica.

Hölderlin, F. (2008). A morte de Empédocles. Tradução de Marise M. Curioni. São Paulo: Iluminuras.

Hölderlin, F. (1959). Poemas. Tradução de Paulo Quintela. Lisboa: Atlântida.

Hölderlin, F. (1994a). Reflexões. Tradução de Márcia C. de Sá Cavalcante e António Abranches. Rio de Janeiro, Relume Dumará.

Hölderlin, F. (1994b). Sämtliche Werke und Briefe. Hrsg. von Jochen Schmidt. Frankfurt am Main: Deutscher Klassiker Verlag.

Dilthey, W. (1921). Das Erlebnis und die Dichtung. Lessing – Goethe – Novalis – Hölderlin. Paderborn: Salzwasser Verlag.

Honold, A. (2000). “Der Tod des Dichters: Hölderlin”. In: Der Leser Walter Benjamin — Bruchstücke einer deutschen Literaturgeschichte. Berlin: Verlag Vorwerks.

Horácio (1992). Arte Poética. Tradução de Jaime Bruna. São Paulo: Cultrix.

Lindner, B. (2011). (Hrsg.). Benjamin Handbuch: Leben – Werk – Wirkung. Stuttgart/Weimar: Verlag J. B. Metzler.

Scholem, G. (2016). Walter Benjamin — die Geschichte einer Freundschaft. Frankfurt am Main: Suhrkamp.

Vaccari, U. R. (2013). “O destino em Hölderlin”. In: Rapsódia, vol. 7, pp. 91-99.

Publicado
2019-12-29
Como Citar
Vaccari, U. (2019). A morte do poeta: Benjamin leitor de Hölderlin. Discurso, 49(2), 253–268. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2019.165485
Seção
Artigos