Cidadania e liberdade: Rousseau contra Hobbes

Autores

  • Yara Frateschi

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2014.89085

Palavras-chave:

Rousseau, Hobbes, Antropologia, Liberdade, Cidadania.

Resumo

Este artigo pretende mostrar que para desmontar as teses centrais da teoria política de Hobbes, Rousseau deve recusar a antropologia do autor do Leviatã e lançar mão de outra antropologia que reivindica para o homem um aspecto moral condizente com a ideia de liberdade e de uma vontade que é causa de si mesma e inalienável.
Trata-se de analisar a crítica de Rousseau à antropologia mecanicista de Hobbes para esclarecer, em primeiro lugar, porque, para o autor do Emílio, abdicar da vontade equivale a deixar de ser humano, e, em segundo lugar, que essa mesma crítica permite a Rousseau repensar o exercício da cidadania em termos radicalmente distintos dos de Hobbes, pois ao cidadão rousseauísta estará resguardada a possibilidade de uma transformação moral que permite a construção de relações sociais de qualidade muito distinta daquelas que os súditos hobbesianos estabelecem entre si e com a coletividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2014-12-12

Como Citar

Frateschi, Y. (2014). Cidadania e liberdade: Rousseau contra Hobbes. Discurso, 1(44), 55-78. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2014.89085

Edição

Seção

Artigos