[1]
C. Pasqualin, “Arte, afeto fundamental e transcendência teológica em Heidegge”r, discurso, vol. 46, nº 2, p. 251-286, dez. 2016.