Mandala, mandorla: figuração da positividade e esperança

  • Suzi Frankl Sperber Unicamp; Instituto de Estudos da Liguagem; Departamento de Teoria Literária
Palavras-chave: Guimarães Rosa, Grande sertão, veredas, Nonada, Santa Teresa de Jesús, Deleuze e a lógica não-causal

Resumo

O TEMA do centro é trabalhado simbolicamente em Grande sertão: veredas. Ele é construído mediante uma série de recursos discursivos e narrativos, tem fontes as mais diferentes e engloba diversos sentidos, inclusive por conter os elementos básicos de que é feito o mundo, segundo os antigos. Diversos sentidos e seus recursos são apresentados neste artigo. A pedra de toque é dada pela positividade. É que dentre tantas leituras de Guimarães Rosa, e no momento em que a tendência é a de ler o grande romance como reflexo da história, vale a pena ressaltar que a sua marca fundamental é a esperança na mudança, na reviravolta, no resgate, na vida enquanto conditio sine qua non da travessia. Positividade que não exclui o negativo - positividade includente.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2006-12-01
Como Citar
Sperber, S. (2006). Mandala, mandorla: figuração da positividade e esperança . Estudos Avançados, 20(58), 97-108. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/10181
Seção
Dossiê Guimarães Rosa