Epidemias em escala mundial e no Brasil

  • José da Rocha Carvalheiro USP; Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
Palavras-chave: Epidemias, Doenças negligenciadas, Processo endemo-epidêmico, Distribuição das doenças, Cartas de controle, Endemia, Epidemia e surto, Política de pesquisa e inovação em saúde, Agenda de Prioridades de Pesquisa

Resumo

Epidemias devem ser consideradas não como um tipo especial de doença, mas sim como parte de um complexo processo de distribuição de patologias no tempo e no espaço. Diversas classificações de doenças existem, sendo oficial a CID atualmente em sua décima versão. As cartas de controle, empregadas pelo serviço de saúde, permitem uma aproximação à fase, endêmica ou epidêmica, em que se encontram especialmente doenças sujeitas a vigilância em todo o mundo, as quarentenáveis. O conceito de surto deve ser encarado como um indício de concentração de episódios que merece estudo mais profundo. As mais importantes doenças transmissíveis no mundo em desenvolvimento são chamadas negligenciadas e merecem atenção especial das agências de fomento de pesquisa por não serem tidas como prioritárias pela indústria farmacêutica. No Brasil, a Agenda de Prioridades de Pesquisa em Saúde inclui diversas doenças dessa natureza e tem sido contempladas em editais do CNPq e do Ministério da Saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2008-12-01
Como Citar
Carvalheiro, J. (2008). Epidemias em escala mundial e no Brasil . Estudos Avançados, 22(64), 7-17. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/10345
Seção
Dossiê Epidemias