Figurações do "mal" e do "maligno" no Grande sertão: veredas

  • Marcus V. Mazzari USP
Palavras-chave: Grande sertão, veredas, Doutor Fausto, Simplicissimus, Imagens do mal e do maligno, Pacto fáustico, Romance de formação

Resumo

Este texto constitui o segundo capítulo de um estudo sobre a trajetória de Riobaldo em sua oscilação entre o pacto fáustico e a tradição do chamado "romance de formação e desenvolvimento" (Bildungs- und Entwicklungsroman). Partindo de um trecho do romance O homem sem qualidades em que Musil discute os obstáculos que se colocam à arte da narrativa no século XX (antecipando reflexões teóricas de Adorno, Auerbach, Rosenfeld etc.), o estudo enfoca, no primeiro capítulo, traços do Grande sertão que o vinculariam a um épico mais primitivo. Também se estabelecem aqui algumas relações com o Doutor Fausto de Thomas Mann, romance que tem igualmente no pacto demoníaco o seu motivo nuclear. Quanto ao presente texto, está voltado às formas e imagens que o relato de Riobaldo dispensa aos conceitos de "mal" e de "maligno" (assim como ao seu entrelaçamento). Em seguida, enfoca a personagem de Hermógenes, que encarna uma espécie de principium maleficum que dificilmente encontra paralelo na literatura ocidental. Para expor essa especificidade da personagem rosiana, o estudo procede por fim a uma comparação com a representação do Mal (e sua correspondente personagem) no romance barroco Simplicissimus, de Grimmelshausen.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2008-12-01
Como Citar
Mazzari, M. (2008). Figurações do "mal" e do "maligno" no Grande sertão: veredas . Estudos Avançados, 22(64), 273-290. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/10360
Seção
Vieira, Machado, Guimarães Rosa