Mário de Andrade leitor de Goethe e as formas do amor em Amar, verbo intransitivo

  • Cristiane Rodrigues de Souza Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Amor, Mário de Andrade, Marginália, Goethe

Resumo

No texto "Um idílio no modernismo brasileiro", Telê Ancona Lopez chama a atenção para a importância do desdobramento de estudos sobre Amar, verbo intransitivo (1927), apontando, entre os temas a serem contemplados, a análise de páginas de Goethe como fonte da criação da obra. Realizo este trabalho contando com o exemplar de Goethes Lyrische und Epische Dichtungen (Band II). Crossherzog Wilhelm Ernst Ausgabe. Leipzig: Inselverlag, 1820, conservado na biblioteca de Mário de Andrade, no IEB-USP. Nessa edição está o idílio Hermann und Dorothea (1797) (p.477-552), texto enriquecido, tanto quanto os demais, com as anotações do escritor-leitor. Ao aproximar Goethe ao idílio moderno de Mário de Andrade, num estudo analítico atento à marginalia do exemplar, percebo como se constrói o conceito de amor, na obra.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-04-01
Como Citar
Souza, C. (2018). Mário de Andrade leitor de Goethe e as formas do amor em Amar, verbo intransitivo. Estudos Avançados, 32(92), 209-228. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/146446
Seção
Leitura de Ficção